A década de The L Word

A Década De The L Word
[tempo de leitura: 4 minutos]

“The L Word” completa 10 anos, sendo uma importante série para o meio LGBTQI+, tratando com naturalidade o mundo lésbico de Los Angeles.


[…] It’s the way that we live / And love

Sendo um marco das produções audiovisuais, The L Word foi lançada no ano de 2004 no canal Showtime, retratando a vida e as relações de um grupo de mulheres lésbicas e bissexuais. Criada por Ilene Chaiken, a série durou até 2009, completando nesse mês de março uma década de seu término.

O enredo de The L Word aborda assuntos comuns do cotidiano queer, dando destaque ao grupo de amigas formado por Bette Porter (Jennifer Beals), Tina Kennard (Laurel Holloman), Shane McCutcheon (Kate Moennig), Dana Fairbanks (Erin Daniels) e Alice Pieszecki (Leisha Hailey). Todas elas são mulheres de uma classe privilegiada de Los Angeles e compartilham suas vivencias. Com um ar de familiaridade, o grupo se encontra por vezes em um café chamado The Planet, propriedade de Marina Ferrer (Karina Lombard), uma mulher que possui alguns segredos a serem revelados ao passar dos episódios.

  • Save

Da esquerda pra direita, as atrizes Laurel Holloman (Tina), Leisha Hailey (Alice), Jennifer Beals (Bette), Katherine Moennig (Shane), Erin Daniels (Dana) e Pam Grier.

O enredo da série gira em torno de uma “teoria” criada por Alice: todas as mulheres que se relacionam com mulheres estão ligadas por pelo menos uma relação em comum, formando o Quadro. Essa “teoria” se torna algo acessível a toda a comunidade lésbica e bissexual, praticamente confirmando a tese de Alice quando as ligações de pessoa para pessoa não param de se formar.

 

The L Women

Os primeiros episódios de The L Word conta a tentativa do casal Bette e Tina de engravidar, mostrando a procura por um doador de esperma e a escolha de suas características para o bebê herdar, e assim, ter semelhança com o casal. Bette é diretora de um museu de artes de Los Angeles e nos mostra uma mulher de personalidade e ideias bem definidas, o que muitas vezes a deixa num papel autoritário. Tina é uma executiva que deixa seu trabalho para se dedicar a maternidade por vontade própria. Estando numa relação de oito anos, a história das duas as coloca em uma fase de dependência e acomodo na relação.

O vizinho de Tina e Bette, Tim Haspel (Eric Mabius), é um homem hétero que convive bem entre a comunidade LGBTQI+. Jenny Schecter (Mia Kirshner), namorada de Tim, é uma mulher curiosa e uma escritora buscando autoconhecimento, tendo seu primeiro contato com o mundo homo ao se mudar para Los Angeles – uma perspectiva tratada com naturalidade. Jenny desperta o interesse de Marina em certo ponto da história, dando início a um questionamento sobre a sua sexualidade.

  • Save

As mulheres (e homem) de “The L Word”

A tenista Dana Fairbanks é uma jogadora em ascensão, criada por pais muito conservadores e a lésbica mais contida do grupo. Dona de um carisma sem igual, Dana é o ponto de alívio da maioria das cenas, trazendo sempre algo engraçado com certo nuance de ingenuidade.

Shane é uma cabeleireira dona de um talento sem igual, tanto em seu trabalho como na vida amorosa. Carregando o papel de solteira desimpedida, é a sapatão mais cobiçada da comunidade, mostrando sua liberdade e vontade de curtir a vida sem se prender em um relacionamento sério – pelo menos nos primeiros episódios da série.

Jornalista e dona das cenas cômicas com sua curiosidade e sagacidade, Alice é dona do Quadro. Com o passar da série, ela se envolve com diversos tipos de pessoas e mostra que as relações podem sim ultrapassar a barreiras impostas por rótulos e determinações socionormativas.

  • Save

O famoso “Quadro”, ao fundo, mostrando as ligações amorosas entre as mulheres

Além desse grupo principal, as temporadas consecutivas contam com personagens que agregam muito no enredo e no conteúdo informativo de The L Word, tratando de assuntos como transexualidade, mudança de concepções, aceitação, depressão e amizade. A série é uma importante produções televisivas, tratando do universo LGBTQI+ de uma forma mais sincera, além de mostrar realidades que muitas vezes são esquecidas pelos roteiros da grande mídia.

 

Uma Nova Temporada

Com seu retorno confirmado, The L Word terá oito novos episódios no final de 2019. O revival contará com pelo menos três atrizes da versão original (Jennifer Beals, Kate Moennig e Leisha Hailey), que também auxiliarão na produção dos capítulos.

  • Save

Em uma entrevista à Associação de Críticos de Televisão, em agosto de 2017, a criadora da série, Ilene Chaiken, disse que esses episódios não darão continuidade aos acontecimentos da sexta e última temporada. A produção ainda trará alguém que esteja mais antenada a atualidade da comunidade LGBTQI+ para a produção, o que é de grande importância para a adequação de um enredo que trate de assuntos contemporâneos.


melissa vitoriano

tem 20 anos. estudante de jornalismo na UNESP Bauru. filha da Lua em sagitário e do Sol em leão, não deixa de curtir as coisas boas da vida, seja uma cerveja com os amigos naquele rolê de cada dia, ou uma boa série no conforto de casa. com gostos bem variados, é a própria admiradora de Amy Winehouse e Rihanna.

Back To Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap