fbpx
"Queer Eye" estreia sua terceira temporada mais maduro, em um ano focado em saúde mental e no processo de auto-aceitação – além do makeover tradicional.

“Queer Eye” estreia sua terceira temporada mais maduro, em um ano focado em saúde mental e no processo de auto-aceitação – além do makeover tradicional.


OOs Fab 5 retornaram na terceira temporada de Queer Eye promovendo não apenas uma reforma na vida, mas também pregando a aceitação. Não é à toa que o trailer da temporada deixa claro que “essa é a temporada do amor próprio”, ilustrado ao longo de oito episódios. Vemos pessoas diferentes (conhecidas como Heróis), de culturas diversas e de pontos variados do estado do Kansas, mas que passaram por momentos difíceis na vida que vem as afetando de forma com que seja difícil seguir em frente e se veem sem opções.

Queer Eye estreou em 2018, teve duas temporadas no mesmo ano e agora estreia o seu terceiro ano. A série traz de volta Jonathan (Aparência), Antoni (Alimentação), Karamo (Cultura), Bobby (Design de Interiores) e Tan (Roupas) não só para proporcionar uma reforma externa, mas também procuram extrair do interior de cada participante o valor próprio, aceitação, busca da personalidade, identidade e autoconhecimento. A terceira temporada tem como seu maior foco a saúde mental, acima de qualquer questão mais estética e externa, fazendo jus ao slogan do programa “Mais que uma reforma“.

QE e comoção são sinônimos. Cada cena, mesmo em seus momentos de descontração, carrega muitas emoções vividas pelos perfis escolhidos pelos 5 Fabulosos. É satisfatório assistir ao programa e perceber os participantes superando seus obstáculos e encontrando a força que já tinham, mas que precisava ser despertada. Cada um dos cinco Especialistas tem seu dom, sua particularidade e usam isso para fazer o bem para a humanidade.

 

Mais Que Uma Transformação

O programa, que é um original Netflix e reboot de Queer Eye for a Straight Guy, é exuberante em aspectos culturais, não apenas por ser apresentado por cinco caras da comunidade LGBTQIAO+, mas porque são indivíduos incríveis que buscam quebrar os padrões de beleza imposta pela mídia. As transformações feitas não são forçadas e desconfortáveis para os participantes indicados, demonstrando preocupação, sensibilidade e combatendo a masculinidade tóxica – apontando isso em cada um dos homens que eles fazem o makeover, mostrando a importância em demonstrar emoções para uma boa saúde mental.

Gratidão e a importância de valorizar suas origens são aspectos também bastante presentes nessa temporada de Queer Eye. Voltar ao passado e relembrar sem ter medo ou vergonha dele, abraçá-lo como forma de aceitação e superação são aspectos exuberantes bastante retratados ao longo dos episódios, deixando claro que “Pessoas são pessoas. Todos são capazes de mudar“.

Os Cinco se apresentam bastante experientes e confortáveis em suas funções e também fora delas, visto que também passaram por dificuldades em suas vidas e lidam com elas até hoje. Dentre esses problemas, vamos eles falando sobre terem lidado com depressão, ansiedade, se assumir para os pais, abandono da família e expulsão de casa, além de outros problemas familiares. Características e momentos infelizes que são importantes para moldar cada um deles, desenvolver suas respectivas personalidades e torna-los apropriados para orientar os Heróis da forma mais genuína possível.

Sem auto depreciação, entender suas fraquezas e compreender que passar cinco dias sob a tutela do Fab 5 é um progresso, mas a mudança não parte só disso: cabe apenas si mesmo manter a transformação, que dura mais que apenas cinco dias. Se trata de ser bom com os outros e ter empatia – e, antes de tudo, ser bom consigo mesmo. Através disso, Queer Eye deixa claro que vai muito além de um programa de “reforma”.

O original Netflix vale muito a pena, funcionando tanto para momentos de descontração e entretenimento quanto para momentos mais profundos e de auto-análise. Agora, resta apenas saber se seremos presenteados com mais uma temporada neste ano, como foi em 2018.


Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Deborah Almeida

Um salve aos clichês de Natal

Estrelado por Vanessa Hudgens, “A Princesa e a Plebeia” aposta em todos os clichês para criar o filme de Natal que todos adoramos amar. Aos amantes de filmes natalinos, a Netflix lançou um longa para aquecer os corações neste final de ano e renovar as esperanças. Para completar o combo clichê, A Princesa e a Plebeia ainda conta com personagens sósias e coincidências para lá de improváveis, do jeito que os românticos incuráveis amam. Esse interessante trabalho de atuação fica a cargo de Vanessa Hudgens, a eterna Gabriella Montez de High School Musical, vivendo aqui as duas protagonistas: Stacy De Novo e

Leia a matéria »
Back To Top