O cinema como diário de memórias

O Cinema Como Diário De Memórias
[tempo de leitura: 4 minutos]

“Roma” traz uma sensível apuração estética para contar uma bela história carregada de sentimento nostálgico da infância de Alfonso Cuáron, diretor do filme.


Quando o Festival de Cannes anunciou que a partir de 2018 os filmes de serviço de streaming estavam banidos da programação, a direção do evento provavelmente não sabia que estavam deixando de fora uma obra prima do cinema. Mesmo sem participar de Cannes, Roma (2018), de Alfonso Cuarón para a Netflix, conquistou o Leão de Ouro de Melhor Filme no Festival de Veneza e foi ovacionado no Festival de Toronto. Mais do que isso, a película se tornou a primeira produção original da gigante do streaming a ser indicada a categoria de Melhor Filme do Oscar. Tantos prêmios, indicações e elogios se devem majoritariamente ao trabalho de Cuarón, que entrega em Roma seu projeto mais pessoal e sensível.

A pessoalidade com que o mexicano trata sua obra é sentida não só pelo o roteiro, assinado por ele, que parte de um olhar nostálgico e carregado de memórias para seu passado, visitando a década de 70 quando morava ainda criança no bairro Roma, na Cidade do México. Assim, o cineasta o escolhe contar a história de Cleo (Yalitza Aparicio), uma empregada doméstica de uma família composta por Antônio (Fernando Grediaga), Sofia (Marina de Tavira) e pelos três filhos Paco (Carlos Peralta), Pepe (Marco Graf) e Sofi (Daniela Demesa).

Responsável pelas tarefas da casa junto de sua amiga Adela (Nancy Garcia), a jovem passa quase que todo o tempo de seu dia a dia trabalhando, seja limpando a casa, preparando chás, cuidando das crianças ou pendurando roupas no varal. Assim, acompanhamos o desenvolvimento de uma dinâmica familiar conturbada, convidando-nos a perceber uma realidade social muito parecida com a do Brasil, em que Cleo é a funcionária que faz parte da família afetivamente, com uma devoção de carinho aos filhos do casal e funcionando como uma conexão – às vezes imperceptível para os familiares – entre eles mesmos.

  • Save

Justamente por Roma ser seu projeto mais pessoal, fica claro a entrega de Cuarón que ainda assume a direção de fotografia e a montagem (juntamente de Adam Gough). Assim, direção e roteiro se combinam com maestria em uma bonita, sensível e tocante história de uma protagonista passiva em sua própria vida. O plano de abertura já nos prepara para um estado de contemplação da narrativa, que se assume ainda mais pela proposta estética arrojada e simbólica do diretor. A escolha por um ritmo compassado construído pelo uso de uma câmera sempre distante dos atores, com planos panorâmicos lentos e um uso impressionante da profundidade de campo, dão a sensação de que Cleo é sim somente uma testemunha ocular do que acontece em sua vida, fadada a ser uma pequena peça de algo maior ao redor. Junto disso, a atuação retraída de Yalitza Aparicio transforma a protagonista na mulher dócil, amável, ingênua e introspectiva que acompanhamos sempre disposta aos seus chefes, devido a relação profissional, e as crianças, devido a relação afetiva, em uma dualidade que torna sua participação no núcleo familiar ainda mais interessante.

  • Save
Dando sequência a sua proposta estética arrojada, Cuarón entrega sequências que são das mais belas de sua filmografia. A cena de abertura carrega uma simbologia com o mar, que é resgatada na cena da praia ao final do longa, em um dos momentos mais tocantes e bonitos (tanto no sentido emocional quanto no aspecto estético) do cinema em 2018. A recriação do Massacre de Corpus Chrsti, em que centenas de estudantes foram assassinados enquanto protestavam contra o governo mexicano, tem um senso de desespero enervante, capturando a brutalidade nua e crua de forma arrebatadora. Em um dos poucos momentos em que quebra sua proposta contemplativa, o diretor filma a chegada do pai da família com seu carro luxuoso na afunilada garagem da casa, exigindo diversas manobras e um cuidado com o veículo impressionante. Assim, ele trabalha uma montagem mais ágil com cortes e planos detalhes, que funcionam para construir a personalidade daquele pai/marido por meio da linguagem do filme.

Assim, o cineasta entrega um filme carregado de sentimentos, mas que é livre de julgamentos e didatismos para o espectador, deixando espaço para que todas os discursos  levantados sejam construídos a partir das interpretações de cada um. Assim, vemos temáticas que envolvem a luta de classes e a submissão social existente na sociedade mexicana (é evidente o discurso na jornada de uma personagem pobre inserida em uma grande casa de classe média, o que novamente aproxima o filme da realidade brasileira), a representação das áreas suburbanas deterioradas, a recriação do Massacre de Corpus Christi, o comportamento agressivo e dominador do namorado de Cleo e o levantamento de questionamentos quanto a importância da mesma na criação e sustentação de uma família.

  • Save

No fim das contas, Roma é uma oportunidade de Cuarón revisitar sua própria memória, reviver e resolver sentimentos pessoais profundos, ao mesmo tempo que homenageia uma importante figura materna e afetiva de sua vida, em um filme que com um esplendor técnico, uma sensibilidade tocante e muitas emoções, convida o espectador à compartilhar de um sentimento universal e muito particular: o amor. E não há nada mais humano que isso.


OSCAR 2019

Indicações: 10.

  • Melhor Filme
  • Melhor Atriz: Yalitza Aparicio
  • Melhor Atriz Coadjuvante: Marina de Tavira
  • Melhor Diretor: Alfonso Cuarón
  • Melhor Filme Estrangeiro
  • Melhor Roteiro Original: Alfonso Cuarón
  • Melhor Fotografia: Alfonso Cuarón
  • Melhor Mixagem de Som: Craig Henighan, José Antonio García, Skip Lievsay
  • Melhor Direção de Arte: Barbara Enriquez, Eugenio Caballero
  • Melhor Edição de Som: Sergio Diaz, Skip Lievsay

joão dicker

com 23 anos, é formado em Jornalismo pela PUC Minas e trabalha na A Dupla Informação, especializada em assessoria de imprensa e produção de conteúdo em Cultura, Arquitetura, Gastronomia, Design e Criatividade. é o Editor de Conteúdo da ZINT e escreve, majoritariamente, sobre Cinema (sua paixão ao lado de Futebol e Gastronomia).

Back To Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap