fbpx
"Me Chame Pelo Seu Nome" possui suas falhas, mas é triunfal quando o quesito é ser um filme sobre auto-descobrimento e ter um peso de representatividade.

“Me Chame Pelo Seu Nome” possui suas falhas, mas é triunfal quando o quesito é ser um filme sobre auto-descobrimento e ter um peso de representatividade.


OO interior da Itália e os pomares de pêssegos são palco para o filme Me Chame Pelo Seu Nome (2017), baseado no romance homônimo escrito pelo egípcio André Aciman e dirigido por Luca Guadagnino. O encanto da ambientação onde acontece a história é incontestável na direção de fotografia feita por Sayombhu Mukdeeprom, com o uso da própria luz natural para dar cores e evidenciar a beleza das locações. Contudo, a história se desenvolve entre tropeços, sustentada pelo carisma dos personagens e a beleza do norte italiano.

Durante as férias de verão com a sua família em um casarão campestre, a rotina monótona de Elio (Timothée Chalamet) muda com a chegada do estadunidense Oliver (Armie Hammer) para ser orientado pelo pai do jovem em sua pesquisa sobre a cultura greco-romana. A presença inesperada do homem desperta a atenção de Elio, mas o protagonista da trama, à princípio, camufla o interesse no estrangeiro com doses de indiferença e implicância.

https://www.youtube.com/watch?v=7yCwv8FjidU

Mesmo com as tentativas de tentar manter distância de Oliver, a atenção de Elio pelo homem torna-se latente após passarem algum tempo juntos em um tour pela pequena cidade. Nesse momento, o roteiro desenvolve com calma a aproximação entre os personagens e a maneira como o protagonista percebe o desejo de estar ao lado do outro homem. O romance dos dois ultrapassa as barreiras criadas para cristalizar a orientação sexual como algo cerceado entre o heterossexual e o homossexual, surgindo como uma experimentação durante as férias e o desabrochar de sentimentos inéditos para as duas partes.

A relação entre eles, quando confrontada pelos próprios personagens, é encarada como uma situação atípica. Apenas Oliver compreende o tabu de se relacionar com outro homem, o que faz com que o mais velho crie barreiras e até mesmo trate o relacionamento como algo menor e passageiro. Nesse ponto, o roteiro de Me Chame Pelo Seu Nome peca por não criar profundidade o suficiente para compreendermos as concepções desse personagem. Em um romance homoafetivo – algo tão pouco abordado no cinema que quase se torna um gênero entre os interessados – é comum procurar justificativas capazes de solucionar o porquê do afastamento de alguém, principalmente quando o outro já está entregue a essa tentativa de fazer o relacionamento dar certo.

O filme não cria sinais sobre as motivações de Oliver e o seu relacionamento com Elio, como se fosse uma vontade que surgiu durante o verão e chegou ao fim no inverno. Por esse motivo, a visão do mais velho como um personagem homossexual se fragmenta quando ele se envolve com uma mulher durante a trama. Como espectador, é possível compreender a dificuldade de assumir a homossexualidade, sobretudo na década de 80. Em um diálogo entre os amantes, Oliver conta sobre as dificuldades que o seu pai teria em aceitá-lo caso fosse gay ou assumisse um relacionamento com um homem. Contudo, deve-se atentar o olhar à existência da bissexualidade quando os corpos se atraem.

Me Chame Pelo Seu Nome é uma história sobre a jornada de autoconhecimento de Elio, principalmente com o amadurecimento do protagonista e o florescer frente os próprios sentimentos juvenis. A presença do estrangeiro em sua casa criou a possibilidade de compreender a própria sexualidade de uma maneira não-heteronormativa ao se sentir atraído por outro homem, algo inédito na vida do garoto.

Porém, a temática gay da obra segue um caminho diferente do usual, principalmente ao não representar o protagonista preso em questões que evidenciam fobias. Os próprios pais do garoto evidenciaram na sutileza de seus diálogos sobre como o aceitaram independente de sua orientação sexual, algo que não afetou Elio já que o protagonista não criava dilemas ou indagações sobre a própria sexualidade, ele apenas queria estar ao lado de Oliver.

O foco de Me Chame Pelo Seu Nome é o auto-descobrimento e os momentos de romantismo entre os personagens principais, mas que falha em alguns momentos no roteiro por não explorar ao certo o que esperar de cada um deles. O espaço aberto para a interpretação não cria nuances de ser algo proposital para que a história continue viva mesmo com o fim do longa-metragem, mas sim por ir devagar demais em certo momentos e precisar acelerar a narrativa quando ela precisa ser mais lenta e detalhada. Todavia, ele é de extrema importância para pensarmos sobre a representação da orientação sexual no cinema e a forma como personagens que não são héteros ganham, e precisam, de cada vez mais espaço nos grandes festivais de cinema.


Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Televisão
Ana Luisa Santos

Reflexões necessárias ao som de bossa nova

“Coisa Mais Linda” eleva a qualidade das produções brasileiras, em uma série bem intencionada e produzida sobre o Rio de Janeiro da bossa nova. No último dia 22, a Netflix Brasil estreou sua mais nova produção original. Coisa Mais Linda, já bastante aguardada pelos brasileiros, chegou cumprindo o que prometia e deu o que falar entre o público. Produzida por Beto Gauss e Francesco Civita, os sete episódios foram assunto na internet, colocando a produção nos tópicos mais comentados do Twitter naquele fim de semana. Coisa Mais Linda narra a trajetória de Maria Luiza (Maria Casadevall), uma jovem paulista que

Leia a matéria »
Back To Top