fbpx

“Vice” é um filme cômico e de forte discurso político contemporâneo, se sustentando na direção de Adam McKay e na atuação de Christian Bale.


Independente de qualquer crítica ou elogio, é inegável que Vice (2018) é um filme político, politizado e autoral. Escrito e dirigido por Adam McKay, que volta a direção de um longa-metragem depois do premiado A Grande Aposta (2015), a nova película carrega a identidade cômica do diretor em sua essência, mas dessa vez com um discurso político mais articulado e crítico. Se no projeto antecessor McKay propôs uma análise cômica, ácida e didática a respeito da crise econômica de 2008, em Vice ele volta seu olhar para a história de Dick Cheney, uma das figuras políticas mais marcantes da história recente dos EUA.

De cara, o diretor dá o tom do filme ao situar o espectador de que o que estamos assistindo é inspirado por fatos reais, mas que o trabalho de adaptação da vida de Cheney para as telonas tomou liberdades criativas graças à forma sorrateira com que o político construiu sua trajetória e atuação política dentro da Casa Branca. Assim, McKay cria um roteiro que apesar de inconsistente e um pouco bagunçado, consegue propor recortes da vida do personagem – e sim, mesmo que se trate de uma cinebiografia, Vice é acima de tudo um estudo de personagem.

Dito isso, acompanhamos Cheney desde sua juventude desajustada e um pouco perdida, até seu ingresso na vida política e sua ascensão na máquina pública dos EUA. A cada cena percebemos como aquele homem vai aprendendo a jogar as regras do jogo, muitas vezes as burlando para conquistar seus objetivos e crescer dentro da Casa Branca, ao passo que também acompanhamos um pouco da sua vida pessoal. Diferente do que é feito na maioria das cinebiografias, McKay não tenta humanizar Cheney em momento algum, nem mesmo quando trabalha melhor a imagem de sua esposa (interpretada por uma excelente, carismática e intensa Amy Adams) ou quando problematiza as atitudes tomadas por ele em relação a sexualidade de uma de suas filhas. Todas as decisões do diretor estão de acordo com seu posicionamento ideológico frente ao que o político representa e a toda a máquina conservadora existente nos EUA, formada por uma mídia ideológica e por um assustado Partido Republicano pós 11 de setembro – e neste sentido ele utiliza do atentado terrorista para problematizar diversas das políticas internacionais e protecionistas adotadas pelo país nas últimas duas décadas.

Amy Adams e Christian Bale

Este manifesto político engraçado e didático é a principal virtude do roteiro confuso e repleto de digressões narrativas. É justo dizer que McKay faz o melhor que pode ao tentar contar a história de um homem sorrateiro, cheio de segredos inimagináveis e desconhecidos, mas a forma como ele estrutura a narrativa se baseando em muitas elipses e em acontecimentos em blocos dá uma sensação de que estamos assistindo seguidos esquetes de humor. Talvez seja um resgate de quando trabalhou como roteirista do Saturday Night Live, mas a falta de uma coesão narrativa mais direta tornam os acontecimentos bagunçados. O que não funciona tão bem quanto em A Grande Aposta é o uso do narrador consciente, que apesar de brincar com a impossibilidade de completar certos diálogos e acontecimentos justamente pelo desconhecimento público do que se deu, se torna um artifício narrativo que desgasta o espectador.

Compensando a densidade de informações históricas e o roteiro inconsistente, Christian Bale carrega o filme para outro nível. Conhecido por se entregar de corpo e alma aos papéis, o ator desaparece em seu próprio corpo ao engordar e replicar os trejeitos físicos, vocais e comportamentais de Cheney. É mais uma atuação impressionante de Bale, que consegue transmitir a destreza silenciosa com que aquele homem planejou sua ascensão para o posto de Vice Presidente dos EUA, transformando o cargo, assumindo responsabilidades e um poder quase que supremo, capaz de lhe garantir meios e liberdade para cometer atos (no mínimo) questionáveis.

O restante do elenco também é muito bom. Amy Adams e Sam Rockwell garantem personalidade a personagens pouco trabalhados pelo roteiro, e no caso do George Bush Jr. vivido por Rockwell, a coragem com que McKay o constrói como um mimado inexperiente é muito interessante. Apesar de carismático e divertido, Steve Carell vive um Donald Rumsfeld caricato e muito parecido com diversos outros papéis que o ator mostrou em sua carreira.

Assim, o que fica ao final é que mesmo que com um roteiro bagunçado e inconsistente, Vice é uma cinebiografia muito interessante. Graças a impressionante atuação de Christian Bale e a acidez que Adam McKay apresenta Dick Cheney (e tudo o que ele representa), o filme se sustenta com um divertido, engraçado e forte discurso político contemporâneo.


Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Mostra de Cinema de Tiradentes
João Dicker

“Enterrado no Quintal” (2021) / 24ª Mostra de Cinema de Tiradentes

Enterrado no Quintal tem, em certo sentido, muito do cinema de Michael Mann em seu retrato violento e soturno de uma história de vingança pela periferia. A direção de Diego Bauer até emula o trabalho de Mann, mas o brasileiro tem a destreza de articular uma personalidade própria ao trabalhar a imagem digital se apropriando da textura chapada e dos ruídos na imagem para criar uma força dramática forte. Essa característica é o que torna o ótimo jogo de construção de espera, antecipação e entrega que Bauer faz nos 15 minutos muito intensos de filme. Acompanhamos Isabela, uma mulher que
Leia a matéria »
Crítica
Giulio Bonanno

Crítica: “Máquinas Mortais”

“Máquinas Mortais” trabalha com muitos efeitos especiais e comentários de viés políticos, mas nunca consegue elaborar algo para se sobressair. Em uma determinada cena de Máquinas Mortais, o personagem Tom (Robert Sheehan) aponta aleatoriamente para o sul, afirmando confiar em seu “instinto de direção” que poderá salvar tanto ele quanto a sua companheira Hester das ameaças emergentes. Não percebemos confiança em seu semblante, mas há uma determinação inocente, típica de quem cultiva resquícios de esperanças em busca da sorte de principiante. Ao longo de sua duração, Máquinas Mortais consolida uma experiência que, embora simpática e comprometida com o seu universo

Leia a matéria »
Back To Top