fbpx

“Velvet Buzzsaw” parece não encontrar o tom que seu diretor, Dan Gilroy, queria, mas traz um elenco estrelar que carrega o filme, como Jake Gyllenhaal.


Desde que estreou como diretor com o excelente O Abutre (2015), Dan Gilroy deixou uma expectativa quanto ao que sua jovem carreira como cineasta traria ao cinema. Se em seu primeiro filme o diretor propos uma sátira seca e irônica do sensacionalismo jornalístico, em Velvet Buzzsaw, estreia recente da NetflixGilroy retoma seu olhar satírico para criticar o afetado mundo da arte.

O roteiro, também assinado por Gilroy, acompanha a história do crítico de arte Morf Vandewalt (Jake Gyllenhaal), que entra em uma espiral de acontecimentos sobrenaturais após as obras de arte de um desconhecido e falecido artista alcançarem o estrelato no circuito de museus de Los Angeles. Com o reconhecimento dos trabalhos, a fama e o consequente desejo de lucrar com as obras por parte dos galeristas, alastra-se uma maldição sobre todos os principais nomes da elite da arte da cidade.

A principal virtude do longa-metragem é, justamente, a forma satírica com que o cineasta constrói sua narrativa. Já nas cenas inicias acompanhamos um evento de abertura de exposição, em que percebemos a competição existente na corrida capitalista de monetização da arte. E quando somos levados a refletir a respeito de toda a afetação existente no glamour e na suposta erudição deste segmento, percebemos como há uma hipocrisia latente em cada um dos personagens que trespassam a vida do protagonista – e nele próprio.

Assim, Gilroy combina elementos de terror slasher e sobrenatural, a doses de um humor desconjuntado pautado nos excessos das situações apresentadas, seja na afetação, futilidade ou erudição. É um roteiro que acaba entregando um resultado de tom desconjuntado, tornando o filme uma mistura de gêneros que não se assumem propriamente.

A confusão é também sentida na quantidade de personagens que transitam na trama. A superficialidade desta high society de arte é latente na construção de personagens, que são todos interpretados com cargas de excesso e afetação por um ótimo elenco estrelado. Jake Gyllenhaal é quem carrega o filme com uma atuação magnética, vivendo um personagem com falhas morais em sua vida pessoal, que também se manifestam na esfera profissional. A constante variação de um comportamento arrogante para uma atuação que gera empatia transforma o crítico em um interessante peão em um incessante jogo de poder.

Dos componentes de elenco de apoio quem é mais priorizada pelo roteiro é Zawe Ashton, que apesar do evidente esforço de criar uma personagem que aprende a crescer com as regras do jogo que está inserida, não edifica uma transformação crível – tanto nas emoções quanto no seu arco. Toni Collete e Rene Russo prendem os olhos do espectador quando estão em cena, abraçando as afetações e exageros de suas personagens, roubando a tela sempre que aparecem. Já John Malkovich e Daveed Diggs tem pouco o que fazer, participando para dar rosto e corpo à representações batidas do mundo arte: Malkovich é o artista consagrado que vive uma crise de criatividade, enquanto Diggs faz um artista contemporâneo de origens do gueto urbano.

Dentro de toda a satírica e engraçada confusão que é a narrativa, fica a sensação de que Gilroy não encontrou o tom que queria. De forma trágica, dá falta de um terror que a todo o momento se enuncia, mas que em momento algum se edifica, e na carência de uma tensão forte para o mistério construído, Velvet Buzzsaw cria para si uma aura diferente das obras assassinas de seu enredo: um constante potencial que é alcançado em discurso, mas não em forma.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Bruna Curi

A magia presente em Quebra Nozes

“O Quebra-Nozes e os Quatro Reinos” ganha uma nova vida nas mãos da Disney, que volta a contar a clássico história do Quebra-Nozes. A história do Quebra-Nozes é muito famosa ao redor do mundo, seja por conta do romance O Quebra-Nozes e o Rei dos Camundongos (1816), escrito por Ernest Theodor Amadeus Hoffmann, ou pelo cultuado ballet de Tchaikovsky, que estreou em 18 de dezembro de 1892 no Teatro Mariinsky, em St. Petersburg, Rússia. No cinema, o Quebra-Nozes já foi explorado em diversas adaptações ao longo dos anos: Nutcracker Fantasy (1979), O Príncipe Encantado (1990), O Quebra-Nozes (1993), Barbie em O Quebra-Nozes (2001) e

Leia a matéria »
Crítica
João Dicker

Crítica: “Assunto de Família”

“Assunto de Família” entrega uma impactante história, aprofundando-se na intimidade de uma família para explorar e questionar os limites dessas relações. A filmografia de Hirokazu Koreeda tem mostrado que as relações familiares são mais do que um tema para seu cinema, mas sim um meio. O cineasta japonês, responsável por outros ótimos trabalhos recentes que chegaram a ser exibidos no Brasil como O Que Eu Mais Desejo (2011), Pais e Filhos (2013) e Depois da Tempestade (2016), vem trabalhando de forma recorrente com os detalhes mais simples de um núcleo familiar, mas explorando-os com profundidade e usando-os como forma de desnudar valores

Leia a matéria »
Back To Top