Gozando a adolescência

Gozando A Adolescência
[tempo de leitura: 3 minutos]

“Big Mouth” segue como uma das melhores produções originais da Netflix e entrega uma temporada cheia de frescor, autenticidade e muito humor.


DDando sequência a proposta de tratar dos tabus da adolescência com um humor desbocado e provocador, a terceira temporada de Big Mouth chegou a Netflix mantendo sua essência cômica e experimentando a mescla entre gêneros para entreter. Mesmo que com uma essência despretensiosa, a série continua a impressionar com o equilíbrio entre humor e temas polêmicos, provocando o espectador até o ponto certo e divertindo na mesma medida.

A trama da continuidade a vida dos jovens Nick (Nick Kroll), Andrew (John Mulaney), Jessi (Jessi Klein), Jay (Jason Mantzoukas) e Missy (Jenny Slate), que passam pelas dificuldades e descobertas da adolescência. Na terceira temporada, os personagens que dão voz às experiências vividas pelos criadores Jennifer FlackettMark LevinNick Kroll Andrew Goldberg passam por constrangimentos e situações hilárias ainda maiores.

  • Save

Poster da terceira temporada

Se no ano anterior a novidade veio com novos personagens que roubaram a cena, como o Mago da Vergonha dublado por David Thewlis, nos novos episódios o frescor vêm da forma inteligente como os roteiristas trabalham questões e temas contemporâneos no dia a dia dos jovens. Assim, sem se preocupar com o que deixa ou não de mostrar, a série usa do humor desbocado para falar do movimento #MeToo, da obsessão pelo uso de celular, do envio de nudes, da hipocondria generalizada da sociedade atual e dos diferentes espectros da sexualidade.

O equilíbrio entre humor e o desconforto das situações vexatórias, assim como dos desdobramentos que os jovens da trama passam, segue acertado, nunca extrapolando o limite do que é verdadeiramente problemático de ser dito. Um ótimo exemplo é o arco de Nick em sua relação tóxica com o celular, dando vida ao aparelho sempre com uma presença sensual e controladora, funcionando como uma perfeita representação bem-humorado de um problema real. Esse arco, junto de quando Andrew decide mandar nudes para paquerar retomam um diálogo iniciado na primeira temporada quanto a onipresença da internet como fonte de conhecimento para questões ligadas às mudanças no corpo, sexualidade, gênero e orientação sexual, ser algo muitas vezes nocivo aos jovens.

  • Save

Mantendo os 10 episódios curtos, todos por volta de 25 minutos de duração, a série continua dinâmica e gostosa de assistir, com um trabalho de animação excelente para representar as sensações das personagens, além das liberdades criativas em cores e texturas durante a temporada. Mais uma vez, Big Mouth explora ainda mais dos números musicais, dessa vez como parte central de determinada parte da trama, em que os personagens participam da montagem de uma peça musical de Disclosure, filme dos anos 90 estrelado por Michael Douglas e Demi Moore.

A sacada é hilária e interessante para dar gás a narrativa e alinhar os temas discutidos, especialmente o que toca o Movimento #MeToo e a representação do desejo de igualdade das mulheres dentro da escola. Junto disso, a relação do professor Lizer com Lola serve de exemplo da hipocrisia social existente em quem procura por soluções preguiçosas que somente “tampam o sol com uma peneira”, ao invés de propor alternativas que realmente atacam a fonte dos problemas. Algo, que na proposta de Big Mouth, é verbalizado pelo próprio personagem.

  • Save

Ainda, a nova temporada propõe uma abordagem interessante sobre o espectro sexual, sua pluralidade e complexidade. O aflorar de Matthew (Andrew Rannells), a continuidade da descoberta de Jay como bissexual e a introdução de Ali (dublada pela impagável Ali Wong), uma nova estudante pansexual que inicia uma nova dinâmica na vida dos jovens, são ótimos caminhos propostos pelos roteiristas para debater o tema.

Já renovada para mais três anos, além de contar com um spin-off já anunciado a respeito dos Monstros de Hormônios, Big Mouth segue como uma das melhores produções originais da Netflix. Original, inclusive, é a palavra ideal para descrever a série, que depois de três anos continua gozando de tudo com frescor, autenticidade e muito humor.

joão dicker

com 23 anos, é formado em Jornalismo pela PUC Minas. é o Editor de Conteúdo da ZINT, um apaixonado por Cinema, Futebol e Gastronomia. trabalha como assessor de imprensa na A Dupla Informação, especializada em Cultura, Arquitetura, Gastronomia, Design e Criatividade.

Back To Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap