fbpx
"Pennyworth" leva o público para a juventude do mordomo mais conhecido do mundo para contar sua história pré-Bruce Wayne.
ÉÉ possível que não exista um universo de quadrinhos tão explorado quanto o do Batman. HQs, filmes, séries, livros… a lista é infinita. O próprio Morcego já estrelou nove filmes live-action, e está prestes a protagonizar mais três. Mas tão presente quanto Bruce Wayne, é o seu fiel braço direito: o mordomo Alfred Pennyworth, que pela primeira vez tem a chance de dar nome à sua própria produção.

Apresentando Pennyworth

Poster da série

Pennyworth é uma série de 10 episódios do canal Epix, focada na juventude do personagem-título. Na trama, Alfred “Alfie” Pennyworth (Jack Bannon) é um recém-reformado soldado do Serviço Aéreo Especial britânico. Tentando se adaptar à vida de civil, Alfie decide começar um serviço de segurança pessoal, com a ajuda de seus melhores amigos de combate, Wallace “Dave Boy” McDougal (Ryan Fletcher) e Deon “Bazza” Bashford (Hainsley Lloyd Bennett).

Para o seu azar, os anos de combate não ficaram para trás e o jovem rapaz se torna um alvo da Sociedade dos Corvos, uma sociedade secreta de extrema-direita que está em guerra pelo poder do Reino Unido contra a Liga dos Sem Nome. Assim, em uma Londres alternativa, que mistura aspectos da Era Vitoriana com os anos 50 e 60, Pennyworth precisa encontrar uma forma de se manter vivo e proteger todos aqueles que ama.

Pennyworth sabe usar seus personagens e brinca um pouco com o universo em que seu personagem-título existem. Assim como nas histórias do Batman, Alfred é extremamente leal, possui o seu código de honra e quer resolver os problemas com o mínimo de sangue possível. Ainda, Alfie é inteligente, engenhoso e muito bom no combate.

São por esses atributos que o ex-soldado acaba chamando a atenção da norte-americana Martha Kane (Emma Paetz), agente da Liga dos Sem Nome, e até mesmo do empresário Bruce Wayne (Ben Aldridge). Assim, através de conspirações, o trio acaba por se tornar uma das equipes em terra com a missão de derrotar a Sociedade., comandada por Lorde Harwood (Jason Flemyng).

Assistindo Pennyworth

No curso de sua jornada, é interessante ver que Pennyworth não está para brincadeiras. Fazendo muito uso do gênero de espiões, a série tem plena consciência do potencial que tem em mãos – principalmente considerando que Alfred nunca teve muito do seu passado revelado. Assim, a produção tem espaço para explicar a história do mordomo antes dele ser um mordomo, e o que o levaram à tal ocupação, considerando que Pennyworth tinha uma proeminente e talentosa carreira no exército.

Thomas Wayne e Martha Kane, futuros pais de Bruce Wayne

Buscando manter-se mais pé no chão, a série traz uma produção arrojada e visualmente bem produzida. Paralelamente, a ascensão da extrema direita e o uso da comunicação de massa para movimentar os grupos são alguns dos arcos que levam para a televisão um pouco da nossa atual realidade.

O grande problema de Pennyworth reside justamente em seu roteiro. As histórias ficam um tanto confusas e você chega na metade da série sem entender muito bem o que está acontecendo. Alguns personagens ficam apagados e você também tem um pouco de dificuldade de entender (ou memorizar) os grandes vilões da temporada. Complementar a isso, nas batalhas paralelas a guerra perde um pouco de sentido e a série dá espaço até para um adorador do Diabo entrar em cena. O que isso tem a ver com tudo? Acredito que só tirar de cena um personagem que não tinha motivo para existir.

Em destaque, Alfred Pennyworth, acompanhado por Thomas Wayne ao fundo

No lado positivo das coisas, Jack Bannon entrega um excelente Alfred Pennyworth. Sua atuação é forte e remete ao personagem que o público já conhece, com grande carisma e presença. Principalmente pela sua história pessoal e familiar, é fácil perceber o que o motiva a aceitar um futuro emprego com os Wayne e ir para os Estados Unidos ser o mordomo da família.

No time dos vilões, quem realmente rouba o programa é Bet Sykes. O braço direito de Harwood é extremamente icônica, com seu sotaque carregado e sua personalidade sociopata.

As irmãs Sykes: Beth e Peggy, respectivamente

Graças à atuação de Paloma Faith, conhecida no Reino Unido pela sua carreira de cantora, podemos ver uma personagem carismática, que fala meio calmo e arrastado e navega na comédia sem, de fato, entregar piadas ou bordões. Algumas de suas decisões são cômicas, assim como a dinâmica com sua irmã, a sadista e sadomasoquista Peggy Sykes (Polly Walker) – mas Beth está longe de ser uma comediante.

No curso final, Pennyworth é uma interessante tomada na vida de Alfred. Mesmo com a confusão em seu plot, a série tem um bom fôlego, atuações e cenas de ação suficientes para manter o público ligado e intrigado à esta história, que já tem uma segunda temporada confirmada para ano que vem.


No Brasil, a exibição de Pennyworth ficou com o serviço de plot Starzplay, estreante no país.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Opinião
Eros Coelho

Incentivo x Desafio – Uma lição de Moana

Após acompanhar a incrível jornada de Moana, a princesa de Motunui, para salvar seu lar, uma reflexão me veio à mente. Como podem duas palavras impactar de forma igualmente forte, mas em sentidos tão opostos, aqueles dotados de sonhos. Sujeito e predicado. “Eu duvido”. Algumas pessoas sentem-se incentivadas pelo desafio imposto pelos outros, principalmente quando estes são próximos. Quanto maior o valor dado ao desafiador, maior a necessidade de provar o seu próprio. O desafio lhes fornece a vontade que faltava para conquistar o que se quer. Mas, para outras pessoas o incentivo impacta apenas pelo apoio. Pelo suporte amoroso

Leia a matéria »
Back To Top