fbpx

Os 30 anos de uma geração que resiste

[tempo de leitura: 3 minutos]

“Rainier Fog” pode não ter sido unânime entre a crítica, mas o álbum do Alice in Chains conseguiu deixar sua marca entre os fãs e na história da banda.


FFundada em meio a geração de ouro do grunge de Seattle, nos anos 80 e início dos 90 (que contou com Nirvana, Pearl Jam, Soundgarden, entre outras), o Alice in Chains se mantém na ativa ainda hoje e lançou, em agosto, um disco de inéditas comemorando três décadas de carreira. Intitulado Rainier Fog, o álbum é o sexto de estúdio da banda, com um total de dez faixas.

  • Save
Capa do álbum

Sobreviver 30 anos de mudanças no cenário musical, passar por mudanças drásticas na formação, inovar e se reinventar e ainda assim manter a identidade que projetou a banda é um trabalho para poucos. Mas o grupo comandado por Jerry Cantrell consegue exatamente isso. Jerry é um dos fundadores, guitarrista e letrista desde a formação inicial, além de co-vocalista. Nos últimos três trabalhos do Alice In Chains (Rainier Fog, The Devil Put Dinosaurs Here e Black Gives Way To Blue), Cantrell divide os microfones com William DuVall, que entrou na banda em 2006 e faz também a guitarra base.

DuVall teve a ingrata missão de substituir o antigo vocalista Layne Staley, falecido em 2002. Principal voz nos álbuns clássicos da banda, Layne conviveu anos com abuso de drogas e depressão. Os demônios enfrentados por Staley são perceptíveis nas letras que ele escrevia, na maneira como ele cantava, e causaram alguns contratempos à banda, que passou um tempo inativo depois de o vocalista decidir não se apresentar mais ao vivo. A data estimada de sua morte é 5 de abril de 2002, por uma overdose de speedball (uma mistura de heroína ou morfina com cocaína ou metanfetamina), com seu corpo sendo encontrado já em estágio de decomposição.

Mas, se a tarefa de William DuVall não era das mais fáceis, ele vem sendo bem-sucedido. Ele e toda a banda. A crítica especializada avaliou muito bem, em 2009, o Black Gives Way To Blue, que vendeu mais de um milhão de cópias, teve dois singles nomeados ao Grammy e estreou no quinto lugar da Billboard 200, enquanto o The Devil Put Dinosaurs Here, de 2013, chegou ao topo das paradas de álbuns de rock e ficou em segundo na Billboard 200.

Rainier Fog não foi unanimidade para a crítica como os dois anteriores, mas se tornou sucesso absoluto entre os fãs. Para muitos é a versão 2.0 de Dirt, álbum de 1992 considerado a obra-prima da banda. Sem entrar no mérito, mas a título de review, nota 9/10. O primeiro single divulgado do trabalho é The One You Know, a primeira faixa do disco, e mostrou logo de cara o quão promissor seria o álbum.

O segundo single, So Far Under, possui um riff bem distinto e uma harmonização perfeita entre Cantrell e DuVall nos vocais, aumentando ainda mais a expectativa para o então vindouro disco. Também, antes do lançamento oficial do álbum, Never Fade chegou aos ouvidos do público. Particularmente a melhor do trabalho, a faixa traz um instrumental mais pesado e um raro solo. Nesse momento, o hype já beira o insuportável.

  • Save
Da esquerda para a direita, a atual formação da banda Alice in Chains: William DuVall, Sean Kinney, Jerry Cantell e Mike Inez

No dia 24 de agosto, Rainier Fog chegou as lojas físicas e digitais, além das plataformas de streaming. A média deixada pelos três singles foi alta, mas as outras sete faixas mantiveram a nota – Fly, Deaf Ears Blind Eyes e Maybe, principalmente. O fato de Jerry Cantrell participar dos vocais e da composição das letras desde o início da banda ajudam na sensação de que o Alice in Chains voltou às origens. Visto a média relativamente esporádica de lançamentos de projetos, a espera pelo próximo álbum será longa, mas o material disponível faz com que a espera não seja sofrida, apenas cercada de muita expectativa.


alisson millo

Estudante/jornalista, apreciador de música, escritor de besteiras, por prazer, nas horas vagas, escritor de coisas sérias quando precisa

Back To Top
Right Menu Icon
Share via
Copy link
Powered by Social Snap