fbpx
"O Primeiro Homem" coloca Ryan Gosling no corpo de Neil Armstrong, numa narrativa que mostra o exaustivo processo para a primeira visita do homem à Lua.

“O Primeiro Homem” coloca Ryan Gosling no corpo de Neil Armstrong, numa narrativa que mostra o longo processo para a primeira visita do homem à Lua.


Praticamente todo grande diretor de cinema tem em sua filmografia um relato biográfico de uma figura pública importante ou a retratação de um relevante acontecimento histórico da humanidade. Em O Primeiro Homem, Damien Chazelle retorna a direção de um longa depois de impressionar o mundo com sua qualidade e maturidade enquanto cineasta, apesar de ainda muito jovem. Nesse caso, a idade do diretor torna-se ainda mais interessante para a relação com o filme, uma vez que Chazelle é de uma geração que cresceu com a chegada do homem na lua já sendo um fato.

Talvez seja, justamente, a curiosidade pessoal do diretor em conhecer como se deu todo o processo da Corrida Espacial, prerrogativa de onde parte as escolhas narrativas da produção, que tornam O Primeiro Homem cheio de personalidade e diferente de qualquer outro filme que tangencia o mesmo tema. Assim, a principal diferença deste longa para os outros é a escolha de um olhar mais seco, pouco patriota, sem os ufanismos militares e nacionalistas que Hollywood frequentemente adota. Chazelle e o roteirista Josh Singer optam por nos apresentar oito anos de uma trajetória pessoal de Neil Armstrong (Ryan Gosling), desde seu período de treinamento na NASA até a marcante chegada na Lua.

Não só a opção por focar no que envolve diretamente a “pessoa” Neil Armstrong, como sua relação familiar, a maçante rotina de treinamentos, protocolos e situações perigosas em que um aspirante a astronauta passava dentro daquele contexto, mas também a noção de trabalhar o protagonista como um homem comum e não o mito heroico que se tornou devido a conquista, tornam aquela história mais humana. Vemos um homem com dificuldade de convivência social, contido e que guarda para si os sentimentos mais profundos, além de enxergamos as consequências deste comportamento em seu núcleo familiar e na relação com sua esposa.

Toda a estrutura narrativa do longa é interessante por priorizar a construção do momento impactante que é a chegada do homem a lua, seja essa preparação os acontecimentos históricos ou as escolhas técnicas de Singer, Chazelle e pelo trabalho impecável de Justin Hurwitz na composição da trilha sonora, de Tom Cross na montagem do longa, de Linus Sandgren na fotografia e de todo o departamento de som. Hurwitz e Cross trazem ritmo ao filme, que não cai na armadilha de se tornar monótono ou de ser arrastado como a árdua missão de chegar a lua graças a sincronia entre uma trilha evocativa (bem trabalhada nos momentos em que se exige silêncio) e uma montagem cirúrgica para a cadencia narrativa. A cinematografia de Sandgren traz uma estética documental que agrega ainda mais à escolha do diretor de tratar dos fatos de maneira crua e realista, trabalhando com uma iluminação natural que, curiosamente, torna as cenas noturnas do longa de um apuro estético belíssimo.

A passagem de tempo dos oito anos apresentados ao espectador é muito orgânica, fluindo não só pelo trabalho do montador e do compositor já citados, mas muito também pelo trabalho impecável da equipe de direção de arte e do design de produção. Desde os cenários, figurinos e os mais variados objetos e aparelhos troncudos asseguram uma atmosfera sessentista bem construída, além de uma evidente passagem de tempo predominante nas transformações das instalações militares e na melhoria da precariedade das aeronaves em que os pilotos são constantemente inseridos.

Inclusive, a representação da claustrofobia incessante da cabine do astronauta é recriada perfeitamente devido a uma fotografia intimista, a um design de produção arrojado, de uma montagem eficaz e, principalmente, de uma edição e mixagem de sons capazes de transformarem aquele pequeno espaço em uma câmara de angustia. Uma das cenas mais impactantes, pelo menos no que tange à experiência cinematográfica, é justamente quando Armstrong e seu companheiro de jornada, Buzz Aldrin (Corey Stoll), pisam na Lua pela primeira vez, permitindo que a saída do módulo da aeronave para a imensidão silenciosa e bruta do espaço sideral seja ainda mais intensa pelo olhar das câmeras IMAX.

Para equilibrar o distanciamento e a abordagem mais crua da chegada ao satélite natural, o roteiro constrói uma estrutura emocional sólida para seus personagens, mas sem sentimentalismos debilóides ou exageros dramáticos. Isto transforma os conflitos do cotidiano em mais um cometimento da vida e, seguindo a proposta do diretor, mais uma pedra no árduo caminho que levou Armstrong ao espaço.

Ryan Gosling refaz a parceria de sucesso com Chazelle depois de La La Land para viver o protagonista com precisão, segurando as emoções e afirmando a inexpressividade do astronauta. Claire Foy traz muita personalidade a Janet, a esposa de Armstrong, com uma presença de tela impressionante e de uma intensidade no olhar que captura o espectador, servindo como o contraponto humano e o peso que traz a atenção de seu marido para o mundo que ele já conseguiu alcançar: seu núcleo familiar. São dois personagens diametralmente opostos, que assim como a Terra e a Lua, se distanciam e se alinham em ciclos diferentes.

Na imagem, Ryan Gosling e Claire Foy como Neil e Janet Armstrong

O resultado de O Primeiro Homem é um filme maduro e consciente de sua proposta, que em momento algum abre mão tanto do que quer falar quanto da maneira com que quer dizer. As escolhas estéticas e narrativas do diretor sustentam um longa equilibrado, enervante e envolvente, capaz de propor um olhar ao mesmo tempo intimista e distante da chegada do homem à Lua.


OSCAR 2019

Indicações: 4.

  • Melhor Mixagem de Som: Jon Taylor
  • Melhor Edição de Som: Lee Gilmore
  • Melhor Efeitos Visuais: Ian Hunter, J.D. Schwalm, Paul Lambert, Tristan Myles
  • Melhor Direção de Arte: Kathy Lucas, Nathan Crowley

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Televisão
vics

Bem vindos a 2058

Em seu terceiro ano, “Westworld” se perde dentro do Novo Mundo, mas ainda entrega uma produção elevada com atuações fortes e direção afiada.

Leia a matéria »
Precisamos Falar De
Jader Theophilo

Precisamos Falar De / “Samm Henshaw”

Quantos artistas brilhantes podem estar por ai e nunca tiveram a oportunidade de desenvolver seu trabalho em um ambiente propício? Quantas Beyoncés, Stevie Wonders e Madonnas nunca alcançarão o estrelato?  Tenho me perguntado isso com bastante frequência nos últimos meses. Talvez por isso, eu esteja em uma busca louca por artistas que, ainda, não fazem parte do mainstream. Meu Spotify virou uma caçada para além dos algoritimos, transcendendo para buscas de produtores musicais no Instagram, vídeos caseiros no YouTube e gravadoras independentes. Preciso dizer que as descobertas tem sido animadoras ou até mais que isso. Viciantes, eu diria! Sendo assim,

Leia a matéria »
Back To Top