fbpx

A empatia como salvação em “No Ritmo do Coração”

Tocante e operante, "No Ritmo do Coração" conquista o espectador por meio da empatia e da emoção em filme pouco inspirado.

Tocante e operante, “No Ritmo do Coração” conquista o espectador por meio da empatia e da emoção em filme pouco inspirado.


ÉÉ uma recorrência nos indicados do Oscar a presença de um “feel good movie”, o típico filme pouco inspirador visualmente mas que ganha fôlego e reconhecimento pela história tocante ou pela temática “socialmente relevante”. No Ritmo do Coração (ou, CODA, na língua original) é um destes casos de película operante e correto, que cresce na recepção popular graças a sua vibe leve.

No que cabe ao roteiro, o longa segue a estrutura típica do coming of age ao nos apresentar a história de Ruby (Emilia Jones), uma jovem que vive com seus pais e irmão (todos os três surdos e mudos), em uma pequena cidade pesqueira nos EUA. Daí vem o principal mote dramático de No Ritmo do Coração: Ruby é a intérprete da família para o mundo, a mediadora que precisa ajudar no trabalho como pesqueiros ao mesmo tempo em que vive sua vida tentando ser uma garota “comum” no high school.

Já que a direção da Sian Heder é pouco inspirada, apenas ilustrando o roteiro, o que se destaca é o drama familiar e as questões juvenis. Não que No Ritmo do Coração almeja uma representação aprofundada ou um estudo dramático potente sobre a dinâmica familiar, mas é bem resolvido todo o conflito interno de Ruby e suas questões dentro do núcleo familiar. O lado colegial (o amor, ser desencaixada socialmente e a busca pelo sonhos de cantar) também se encaixam bem na narrativa de coming of age, mas tudo mesmo muito operante.

Grande parte desse sucesso é também pelo ótimo elenco. Tanto Emilia Jones, quanto os três atores surdo-mudos (Marlee Matiln, Troy Kotsur e Daniel Durant) fazem trabalhos interessantes em atuações corporais presentes e divertidas, garantindo um humor até bem envolvente, apesar de acomodado.

Há dois momentos do filme em que a diretora Sian Heder se propõe a cenas mais fortes dramaticamente e com uma proposta mais autêntica para a encenação. A primeira é quando Ruby se apresenta na escola e o som diegético é cortado no meio da música que acompanhamos ser ensaiada durante metade da projeção. Essa ideia (de reproduzir a condição da família da protagonista) é interessante pelo lado emocional e da empatia, enquanto a cena em que o pai de Ruby sente as vibrações de sua voz enquanto ela canta termina por assegurar o impacto emocional que No Ritmo do Coração tanto mira.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Mostra de Cinema de Tiradentes
João Dicker

“Enterrado no Quintal” (2021) / 24ª Mostra de Cinema de Tiradentes

Enterrado no Quintal tem, em certo sentido, muito do cinema de Michael Mann em seu retrato violento e soturno de uma história de vingança pela periferia. A direção de Diego Bauer até emula o trabalho de Mann, mas o brasileiro tem a destreza de articular uma personalidade própria ao trabalhar a imagem digital se apropriando da textura chapada e dos ruídos na imagem para criar uma força dramática forte. Essa característica é o que torna o ótimo jogo de construção de espera, antecipação e entrega que Bauer faz nos 15 minutos muito intensos de filme. Acompanhamos Isabela, uma mulher que
Leia a matéria »
Back To Top