fbpx
"A Sociedade Literária e a Torta de Cascas de Batatas" é um filme inspirado, em uma história tocante cuja trama difere dos longas pós-guerra.

“A Sociedade Literária e a Torta de Cascas de Batatas” é um filme inspirado, em uma história tocante cuja trama difere dos longas pós-guerra.


OO filme A Sociedade Literária e a Torta de Cascas de Batatas chegou ao catálogo da Netflix no dia 10 de agosto deste ano. Produzido por Mike Newell, a película é uma adaptação do romance homônimo escrito por Mary Ann Shaffer e Annie Barrows, apresentando um viés interessante e intimista de alguns amigos durante a Segunda Guerra Mundial.

https://www.youtube.com/watch?v=4GVLkxvG8lU

No início da trama, conhecemos a escritora de sucesso Juliet Ashton (Lily James), que apesar de estar no auge de sua carreira, sendo convidada para escrever um artigo sobre literatura para o The Times britânico e noiva do diplomata Mark Reynolds (Glen Powell), não se sente totalmente feliz. É como se ela não tivesse se curado de suas feridas internas que foram causadas durante o conflito da Segunda Guerra“Já sentiu que saía de um túnel escuro para um parque de diversões?”, ela questiona.

Porém, após receber uma carta de Dawsey Adams (Michiel Huisman), um homem que tinha encontrado um livro que outrora pertencera a ela, uma chama de esperança parece surgir no coração de Juliet. Ela e Dawsey passam a se comunicar através de cartas, falando sobre livros e sobre a história do surgimento do clube de leitura A Sociedade Literária e a Torta de Cascas de Batatas. A história narrada por Dawsey deixa Juliet tão intrigada que ela decide viajar até Guernsey para conhecer um pouco mais a respeito dos membros deste curioso clube de leitura.

A sociedade literária iniciou-se pouco tempo depois da ocupação dos alemães em Guernsey, durante a Guerra. Com os nazistas na ilha, a qualidade de vida dos moradores da região piorou bastante: eles tinham que obedecer aos toques de recolher e todos foram obrigados a plantar e consumir batatas como forma de alimento. Diante desse cenário, Amelia Maugery (Penelope Wilton), Dawsey Adams, Elizabeth McKenna (Jessica Brown Findlay), Eben Ramsey (Tom Courtenay) e Isola Pribby (Katherine Parkinson) resolvem se reunir para fazer um jantar clandestino, com direito a um delicioso porco assado (criado para o abate as escondidas) e uma torta feita apenas com batatas.

Da esquerda pra direita, Isola, Eben, Eli, Amelia, Dawsey e Juliet

O jantar é um verdadeiro sucesso, pelo conglomerado de diversos problemas que eles passavam na época: a constante falta de alimento e nutrientes necessárias para enfrentar o rigoroso inverno do loca e a constante falta de companhia, resultado do rigoroso toque de recolher. Mas, ao retornar para casa na calada da noite, eles dão de cara com com as autoridades alemãs, precisando inventar a história de reunião do clube do livro do grupo, no qual nomeiam, de forma improvisada, como A Sociedade Literária e a Torta de Cascas de Batatas.

Juliet fica fascinada com a história do grupo de leitura, considerando que aquele seria o tema perfeito para o seu artigo no The Times. Mas na medida em que o tempo passando, ela não consegue deixar de se apegar aos moradores, ficando mais íntima e descobrindo uma história por trás da união do grupo: o sumiço de Elizabeth, no qual decide investigar por conta própria para poder dar aos seus novos amigos um final definitivo, seja ele feliz ou triste.

Um dos pontos altos de A Sociedade Literária e a Torta de Cascas de Batatas é a construção do cenário pós-guerra e a fotografia, que ajudaram a passar uma maior credibilidade para a trama. Além disso, o filme mescla as cenas da época atual com alguns flashbacks da Guerra em Guernsey, que ajudam a explicar o grande mistério que envolve Amelia, Dawsey, Elizabeth, Eben e Isola. Ainda, a história abre caminho para explorar um pouco mais do passado de Juliet.

Lily James já vinha chamando atenção para si mesma ao aparecer na série britânica de época Downton Abbey (esta também conta com a presença da veterana Penelope Wilton), que abriu caminhos para ela estrelar filmes como Cinderella (2015), Baby Driver (2017) e, recentemente, Mamma Mia! Here We Go Again (2018), provando que a jovem atriz é uma verdade estrela em ascensão. E em A Sociedade Literária e a Torta de Cascas de Batatas o seu poder não é diferente, com a atriz incorporando muito bem o papel de uma mulher bem sucedida, mas também cheia de inseguranças sobre sua vida pessoal e sua carreira. Para completar, Lily e Michiel Huisman constroem o romance entre Juliet e Dawsey de uma forma delicada, sendo capaz de encantar ao público com suas nuances.

Dawsey é o primeiro amigo que Juliet faz, resultado da troca de correspondência entre os dois. Logo, a moça descobre que ele está no centro do segredo que envolve A Sociedade e o motivo que isso o torna tão especial

A Sociedade Literária e a Torta de Cascas de Batatas retrata uma visão totalmente diferente do que estamos acostumados, quando pensamos no cenário pós Segunda Guerra. Ainda que a trama aposte por uma trama mais lenta, a película não perde o peso de sua história tocante e bonita, cuja principal mensagem é reforçar a importância da literatura e em como ela pode servir de companhia para as pessoas em momentos de extrema solidão.


Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Crítica
Deborah Almeida

Crítica: “A Maldição da Chorona”

O Universo construído ao redor de Invocação do Mal lançou seu sexto filme, A Maldição da Chorona, e trouxe para a franquia um folclore mexicano. A Maldição da Chorona é uma lenda mexicana sobre uma mulher que, ao ser traída pelo marido, afoga os dois filhos por vingança. Arrependida do ato, ela vaga pelo mundo para pegar os filhos de outras pessoas, para que tornem seus. No longa, a assistente social Anna (Linda Cardellini), percebe que está acontecendo algo bem esquisito no caso que está investigando. Logo, ela e seus filhos, Sam (Jaynee-Lynne Kinchen) e Chris (Roman Christou), começam a

Leia a matéria »
Back To Top