fbpx

“Desventuras em Série” trabalha bem seus protagonistas e personagens, avançando sua história em uma segunda temporada emocional e divertida.


Nada melhor do que uma boa história com acontecimentos intrigantes para maratonar durante os finais de semana. Desventuras em Série (2017–) é a escolha perfeita, se você não tem problema com crianças sendo perseguidas e entes familiares mortos por causa de uma enorme fortuna. Para quem não conhece, Lemony Snicket’s A Series of Unfortunate Events (no original) é uma saga de 13 livros escritos por Lemony Snicket (o pseudônimo do escritor americano Daniel Handler) publicados entre 1999 e 2006, tendo sido adaptada para o meio cinematográfico em 2004 pelo diretor Brad Silberling e estrelada por Jim Carrey.

Depois de um filme que foi até bem recebido pela crítica mas falhou em conseguir uma bilheteria sólida, a história caiu no esquecimento por mais de uma década, até a Netflix comprar os direitos autorais e produzir uma série de três temporadas, que contemplariam a adaptação de toda a série literária. A notícia criou um alvoroço para os fãs, que só haviam visto os três primeiros livros ganhando vida nas telonas. Dessa vez, no entanto, o papel do Conde Olaf ficou por conta de Neil Patrick Harris.

https://www.youtube.com/watch?v=BNhIxSkvspg

Não só muito aguardada pelos fãs, a primeira temporada da série conseguiu conquistar novos admiradores e foi muito bem recebida pelos críticos, com “Aclamação Universal” nos agregadores de críticas como o Metacritic e o Rotten Tomatoes. Embora não tenha conseguido fugir das comparações entre o filme e os livros e às diferentes atuações para o temido Conde Olaf, a série teve um retorno positivo, fazendo com que a Netflix renovasse a série para a sua segunda temporada, que estreou este mês no serviço de streaming.

 

Segunda Temporada

O segundo ano da série utiliza da mesma estrutura que seu antecessor, adaptando um livro a cada dois episódios, sendo eles Inferno no Colégio Interno, O Elevador Ersatz, A Cidade Sinistra dos Corvos, O Hospital Hostil e O Espetáculo Carnívoro, distribuídos em dez episódios de aproximadamente cinquenta minutos cada. Desta forma, o roteiro consegue aprofundar no drama que envolve a narrativa, deixando-a bem mais complexa e com um tom sombrio predominando frente ao humor desajeitado do primeiro ano, criando uma diferença latente em relação a primeira temporada. O autor do livro pressupõe que o público já está acostumado com a loucura da trupe de Olaf e coloca empecilhos realmente angustiantes no caminho dos órfãos Baudelaires., interpretados por Malina Weissman (Violet), Louis Hynes (Klaus) e Presley Smith (Sunny).

Da esquerda para a direita: Violet, Sunny e Klaus Baudelaire

Há introdução de novos personagens para a narrativa, sendo que todos eles têm grande importância nos acontecimentos, principalmente no desenrolar dos fatos entorno a organização secreta CSC (VFD, no original). Novas pistas são colocadas aos olhos do espectador que, finalmente começam a ter vislumbres dos motivos pelo qual todos odeiam o Conde Olaf , assim como porque ele abandonou a organização, traiu seus amigos de longa data e como tudo isso está ligado ao que de fato ocorreu com seus pais.

Apesar da estrutura óbvia de dois-episódios-por-livros (um para a apresentação e outro para a conclusão do conflito), os arcos acabam tendo bons desfechos e reservando ainda um final que não será tão feliz igual ao da primeira temporada. Sunny, Klaus e Violet não vão sair ilesos de cada situação, crescendo e sofrendo consequências emocionais e psicológicas. Afinal, eles são apenas crianças lidando com um bando de psicopatas.

Neil Patrick Harris é o Conde Olaf na adaptação da Netflix

Desventuras em Série já foi renovada para sua terceira temporada e está prevista para Março de 2019, concluindo o ciclo.


Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Eros Coelho

Mulan 2.0

“Mulan” chega aos 20 anos do seu lançamento sendo um dos filmes mais icônicos da Disney, com um legado intocável.

Leia a matéria »
Televisão
Carolina Cassese

Porque rir não é o melhor remédio

“Nanette” subverte o stand-up e serve como um tapa na cara, onde a comediante Hannah Gadsby usa seu próprio exemplo para fazer um apelo. “Você compreende o que autodepreciação significa quando vem de alguém que já é marginalizado? Não é humildade, é humilhação. Eu me rebaixo para poder falar e não vou mais fazer isso. Nem comigo, nem com ninguém que se identifica comigo”. Essa frase ilustra a potência do monólogo Nanette, estrelado pela comediante Hannah Gadsby e disponível na Netflix. Suscitando o debate sobre temas importantes como a romantização da saúde mental e os desafios de fazer parte de

Leia a matéria »
Back To Top