fbpx
Com um roteiro simples, "As Células de Yumi" dá asas à imaginação para um drama extraordinariamente relacionável.

Com um roteiro simples, “As Células de Yumi” dá asas à imaginação para um drama extraordinariamente relacionável.

 


Nota do Colab: este texto contém spoilers.

 

QQuando Divertida Mente estreou nos cinemas, a animação da Pixar conquistou o mundo ao retratar emoções primárias em divertidas personificações cheias de carisma. Agora, As Células de Yumi chega ao Dramaland (Mundo dos Dramas Coreanos, em tradução livre) propondo o mesmo princípio, mas indo um pouco mais além ao narrar problemas da vida adulta.

Adaptada de uma webtoon lançada entre abril de 2015 e novembro de 2020, o drama sul-coreano da TVING (serviço de streaming da tvN) narra a relacionável história de Kim Yoo Mi/Yumi (Kim Go Eun), uma tímida e introvertida mulher de 32 anos que trabalha para uma empresa de ramyeon, o famoso macarrão instantâneo coreano.

Tendo dificuldade de externalizar seus sentimentos, sejam eles profissionais, sociais ou amorosos, Yumi sofre de baixa auto-estima e tem a tendência de depender demais da validação de seus interesses amorosos. Para ajudá-las no dia-a-dia, ela conta com a ajuda de uma carismática vila de Células: diferentes sentimentos personificados que moram no seu cérebro e a ajudam nas mais diferentes decisões e situações.

No caso de Yoo Mi, a Amor (Sa Moon Yeong) é a sua Célula-Primária, que está morta há três anos após um doloroso fim de namoro. Desde então, a vila é gerenciada pela união entre a dupla Razão (Eom Sang Hyeon) e Emoção (Shim Kyu-hyuk), com constantes participações de outras Células, como o Fome (Eom Sang Hyeon), a Tesão (Ahn Young Mi), a Moda (Kim Yeon Woo), a Ansiedade (Sa Moon Yeong) e a Esteria (Um sang-hyun).

Chae Woo Ki na esquerda, e Yumi à direita. As Células na linha de baixo.

 

As Células de Yumi

As Células de Yumi começa a caminhar quando Yumi decide investir no inocente amor que sente por Chae Woo Ki (Choi Min Ho, membro do grupo de K-pop SHINee), seu colega de escritório. O problema é que ela precisará aturar a insuportável Ruby (Lee Yoo Bi), sua amiga de departamento que é apaixonada por Woo Ki e está constantemente se intrometendo entre os dois.

Mas diferente do que você possa pensar, o colega não é o pretendente final para Yumi, oferecendo um encontro às cegas com um de seus melhores amigos, Ku Woong (Ahn Bo Hyun). É a partir daí que a trama se desenrola, mostrando como as Células influenciam a vida das pessoas e o romance que nascerá entre Yoo Mi e Woong.

Yumi e Ku Woong

Ao longo de 14 episódios, passamos a entender que, embora As Células de Yumi não seja movido por grandes reviravoltas ou vilões maquiavélicos, o dorama é um grande arco sobre atingir um status de inteligência emocional e amor próprio. A Yumi dos primeiros episódios é monumentalmente diferente da Yumi dos episódios finais, que passa a se colocar como prioridade número um e a ter confiança em suas próprias decisões.

 

Complexidade Emocional

Para mim, o que torna As Células de Yumi uma produção apaixonante é a facilidade que o público tem de se relacionar com a protagonista ou seu interesse amoroso. É uma jornada tão complexa quanto a divertida e carismática vila de Células que rege essa orquestra chamada vida, marcada por uma bagunça constante de alto-e-baixos.

Além do ator-idol Minho (do SHINee), Jinyoung (GOT7), no centro, também participa do dorama como um personagem secundário

Se por vezes agimos por puro Amor, há situações do nosso dia-a-dia que nos fazem dar prioridade para a Razão, a Emoção ou até mesmo a Fome. E ver isso em tela é muito divertido. E estas são decisões importantes para tornar Yumi uma personagem altamente humana, porque ela também está a mercê de todos esses sentimentos que podem atrapalha-lá ou ajudá-la.

Claro que não estamos falando sobre o completo desequilíbrio emocional ou flutuações constantes de humor e emoções, mas de oscilações perfeitamente humanas. E estes são cenários que vão desde os mais complexos (como o medo de mudar de emprego ou colocar o relacionamento em risco por algo que você acredita certo), passam pelos mais simples (como decidir qual roupa usar no primeiro encontro) e até mesmo exploram momentos tragicômicos (uma dor de barriga na primeira vez que você visita o apartamento da namorada, por exemplo).

 

Cartada final

Para completar esta montanha-russa de sentimentos, As Células de Yumi se beneficia pelo seu elenco principal. Kim Go Eun parece muito confortável em seu papel como a protagonista, assimilando as diferentes emoções que sua personagem passa ao longo dos capítulos. Suas expressões faciais facilitam o trabalho do telespectador em traduzir os sentimentos de Yoo Mi, que também está em seu próprio momento de auto-descobrimento. Go Eun é excelente na atuação facial e corporal e Yumi é uma protagonista feminina que tem muito a dizer e entender.

Sua contraparte, Ahn Bo Hyun, não fica muito atrás e dá vida para um Ku Woong que vai de 0 a 80 inconscientemente — como diz Yumi em um determinado momento, “as vezes ele é fofo, mas as vezes ele não é“. O desenvolvedor de jogos sabe ser atencioso e um bom namorado, mas se mostra constantemente alheio de algumas situações e sentimentos que acontecem ao seu redor.

As Células de Yumi termina a jornada de sua primeira temporada bem redonda, deixando para a segunda temporada (já confirmada) apenas a curiosidade de o que o futuro guarda para a protagonistas. Assim, ciclos começam e terminam, mas Yoo Mi descobre que é muito mais capaz do que acreditava ser. Mesmo que triste (ou feliz) por determinados caminhos que sua vida toma, resultado de suas próprias decisões, Yumi sabe que tudo aquilo foi necessário para seu crescimento pessoal e passa a entender que sua história tem apenas uma protagonista.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Laísa M. Santos

Not a loser

Sierra Burgess é uma Loser é um filme Netflix que trata sobre a aceitação do seu próprio corpo em uma sociedade que idolatras as mulheres “capa de revista”.

Leia a matéria »
Televisão
Debora Drumond

É preciso voltar para se conhecer

“Boneca Russa” tem um formato não muito inovador, mas trabalha bem com o que tem em mãos, trazendo diferentes camadas para a série e sua protagonista. O mês de fevereiro animou os fãs de Orange Is The New Black com a estreia da nova produção original da Netflix, Boneca Russa, protagonizada por Natasha Lyonne – a Nicky Nichols, de OITNB. Além de estrelar, a atriz também assina o roteiro da trama, juntamente com Leslye Headland e Amy Poehler – parabéns à Netflix por produzir mais um projeto feito por mulheres! Na série, Natasha interpreta Nadia, uma mulher misteriosa e independente,

Leia a matéria »
Back To Top