fbpx

O Passageiro não é dos melhores filmes da parceria entre Liam Neeson e Jaume Collet-Serra, mas impacta pelas boas sequências de ação.

O Passageiro (2018) é o quarto trabalho do ator Liam Neeson com o diretor Jaume Collet-Serra. Depois de trabalharem nos longas Desconhecido(2011), Sem Escalas (2014) e Noite Sem Fim(2015), temos um novo conceito dos filmes de ação. Além das típicas perseguições e mistérios, esta história traz uma profunda discussão moral que coloca à prova o valor da vida de um desconhecido.

O filme começa com rápidas cenas do cotidiano de Michael McCauley, um ex-policial que trabalha como vendedor de seguros. Há dez anos, ele pega o mesmo trem para ir e voltar do trabalho, de modo que conhece boa parte dos funcionários e passageiros. Eis que toda sua rotina é quebrada em um único dia: Michael é demitido e, sem razão aparente, recebe uma proposta de uma desconhecida o trem.

Essa estranha, interpretada por Vera Farmiga, oferece 100 milhões de dólares por uma oferta para lá de esquisita: ele deveria identificar uma pessoa no trem, que não é uma usuária típica e carrega uma mochila com um item valioso, antes que a viagem termine. Sabemos que Michael está com problemas financeiro e seu filho irá para uma universidade particular, de modo que aceita sem pensar nas consequências.

Apesar de identificar uma pessoa pareça uma tarefa fácil, Michael não tem mais informações sobre o sujeito que procura. Um tanto quanto perdido, ele começa sua busca e a proposta da desconhecida não se mostra tão simples assim. Desde sua família até meros estranhos estão com suas vidas em risco caso o ex-policial não encontre a pessoa.

Diante da nova situação, Michael passa a tomar medidas drásticas para finalizar sua tarefa, tudo com a ajuda de sua experiência como policial. Com direito a muitos tiros, brigas e drama, o homem percebe que o sujeito procurado pode estar com a vida em apuros e não sabe como proceder: salvará sua família ou alguém que não conhece?

Como todo filme de ação, há uma quantidade significativa de violência e efeitos especiais. Infelizmente, esses efeitos se mostram um tanto quanto exagerados e tiram o foco do que está acontecendo na cena em questão. Além disso, a história se perde em alguns momentos e os fatos nem sempre conseguem se conectar com o ponto inicial da obra. De todo modo, apesar de O Passageiro não ser o melhor filme da dupla, toda a viagem é interessante e traz uma boa reflexão dos efeitos colaterais de nossas escolhas.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Televisão
Bruna Curi

Ai meu hamster!

“Ninguém Tá Olhando” surpreende com uma narrativa envolvente e engraçada, graças a assinatura criativa de Daniel Rezende na produção.

Leia a matéria »
Back To Top