fbpx
"The Good Doctor" dá um novo twist nas séries médicas e entrega uma série bem produzida, carregada pela atuação de Freddie Highmore.

“The Good Doctor” dá um novo twist nas séries médicas e entrega uma série bem produzida, carregada pela atuação de Freddie Highmore.


SShaun Murphy é um brilhante cirurgião recém-formado, capaz de diagnosticar e resolver os casos mais raros da medicina com uma eficiência louvável. Porém, ele tem que lidar com o seu próprio diagnóstico que o coloca dentro do espectro autista. Essa é a premissa de The Good Doctor, série do canal ABC e a produção seriada mais assistida da TV aberta norte-americana atualmente.

Freddie Highmore interpreta esse protagonista que, apesar da genialidade, tem que enfrentar sua dificuldade social e o preconceito de seus colegas e superiores para fazer seu trabalho e salvar vidas. Após cinco anos interpretando o psicopata Norman Bates na série Bates Motel, personagens com transtornos mentais parecem ter ser tornado a especialidade de Highmore, que já garantiu uma indicação ao Globo de Ouro pela sua atuação em The Good Doctor, na categoria Melhor Ator em Série Dramática.

No entanto, os dilemas da série não giram apenas em torno dos conflitos profissionais de Shaun. Enquanto cada episódio traz em média dois casos médicos diferentes (que normalmente são resolvidos no mesmo capítulo), somos também apresentados ao passado do cirurgião, aos seus desafios pessoais e aos de seus colegas e pacientes. A série se insere no contexto atual tratando de assuntos como sexismo, abuso sexual, transexualidade e preconceito.

Shaun possui um tipo de Transtornos do Espectro Autista (TEA) que o possibilita ser altamente funcional, embora tenha dificuldade de se relacionar com as pessoas e entender coisas como regras sociais ou sarcasmo. Ainda, o médico possui memória fotográfica, tornando fácil para chegar a determinados diagnósticos e soluções médicas

As semelhanças do formato e do enredo com House não são mera coincidência. David Shore é o criador de ambas as produções. A impressão que se tem é de que o Dr. Murphy é uma versão mais sensível do Dr. House, mas essa diferença é o que acaba se tornando o atrativo da história. Apesar do sucesso com o público, The Good Doctor tem dividido a crítica, que apontam como ponto fraco a previsibilidade na trama e a forma como o autismo é abordado. Em contra partida, a audiência vem mostrando um quadro diferente, cujo público já ultrapassou séries consagradas como The Big Bang TheoryGrey’s Anatomy, esta última também da grande ABC.

 

Inspiração

The Good Doctor foi inspirada em uma série sul-coreana de 20 episódios, que se chamava apenas Good Doctor. A produção estreou em 2013 e também foi um grande sucesso no país. Uma curiosidade interessante, é que o protagonista original se chamava Shi-on; a escolha de chamar o médico americano de “Shaun” foi uma tentativa dos responsáveis de manter o nome mais próximo da versão oriental.

Porém, o principal ponto em comum entre as duas produções está na história inicial. O piloto de ambas é extremamente parecido, contendo até mesmo falas iguais. Mas com o avanço no enredo, David Shore optou por dar um ritmo acelerado e começar a seguir um caminho diferente, adaptando a série para o público americano.

Da esquerda para a direita, as personagens Jared Kalu (Chuku Modu), Claire Browne (Antonia Thomas), Jessica Preston (Beau Garrett), Marcus Andrews (Hill Harper), Shaun Murphy (Freddie Highmore), Aaron Glassman (Richard Schiff), Allegra Aoki (Tamlyn Tomita) e Neil Melendez (Nicholas Gonzalez)

The Good Doctor é exibida no Brasil pelo canal pago AXN.


Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Crítica
João Dicker

Crítica: “Assunto de Família”

“Assunto de Família” entrega uma impactante história, aprofundando-se na intimidade de uma família para explorar e questionar os limites dessas relações. A filmografia de Hirokazu Koreeda tem mostrado que as relações familiares são mais do que um tema para seu cinema, mas sim um meio. O cineasta japonês, responsável por outros ótimos trabalhos recentes que chegaram a ser exibidos no Brasil como O Que Eu Mais Desejo (2011), Pais e Filhos (2013) e Depois da Tempestade (2016), vem trabalhando de forma recorrente com os detalhes mais simples de um núcleo familiar, mas explorando-os com profundidade e usando-os como forma de desnudar valores

Leia a matéria »
Televisão
Diandra Guedes

Leve e emocionante, “Special” conquista os espectadores

“Special” foge do lugar comum e a série conta a história de um homem gay com paralisia cerebral, que precisa sair de um armário diferente do usual. Engraçada, comovente e dinâmica, a série Special, escrita e estrelada por Ryan O’Connell, merece destaque dentre as produções originais da Netflix. Com apenas oito episódios em sua primeira temporada, a série funciona como aquele suspiro de alívio em meio a um dia chato. Os episódios curtos, que não chegam a 20 minutos de duração, são ideais para maratonar tudo em um dia só ou baixar para ir assistindo no caminho de volta pra

Leia a matéria »
Back To Top