fbpx

Na Prateleira de Cima / “A partir de um sonho”

“A Vegetariana” é uma instigante história sobre adentrar no mundo do vegetarianismo – e todas os preconceitos que isso traz consigo.


“Eu tive um sonho”.

É desse jeito que Yeong-hye, uma pacata sul-coreana, justifica a sua decisão de ser vegetariana. Sua mudança de hábito incomoda a todos: sua mãe, sua irmã, seu pai e seu marido. Todos a questionam diariamente sobre esse suposto radicalismo e tentam forçá-la a mudar ideia. Afinal de contas, eles pensam, Yeong-hye parece tão tranquila, até mesmo apática… Em algum momento, ela vai acabar cedendo. Em algum momento, ela não vai resistir. Surpreendentemente, a serena Yeong-hye mostra que também pode ser uma mulher convicta. Mesmo passando por diversos tipos de violências (que partem especialmente dos homens que a cercam), ela se mantém firme na sua escolha e parece não se deixar abalar.

Essa é a premissa do livro A Vegetariana, de Han Kang, que venceu o prêmio de Man Booker International Prize de 2016. Com a sociedade discutindo cada vez mais sobre o vegetarianismo e o direito ao próprio corpo, a obra é inegavelmente atual e tem sido bastante comentada. A publicação, na verdade, foi lançada em 2007, mas só chegou ao ocidente em 2015, quando ganhou uma edição em inglês.

A Vegetariana é dividido em três partes, com a primeira narradando a partir do ponto de vista do marido de  Yeong-hye. A segunda épelo seu cunhado e a terceira pelo ponto de vista de sua irmã. Não temos acesso ao que realmente pensa a personagem central da trama, o que torna a narrativa ainda mais intrigante para o leitor. É interessante perceber que, mesmo sem termos contato com as percepções de Yeong-hye (e considerando ainda que a personagem fala muito pouco), conseguimos sentir empatia com a protagonista, justamente por conhecermos bem o seu entorno e todas as violências que ela passou.

É difícil não sentir alguma angústia com as situações narradas, especialmente quando se trata da primeira parte do livro, contada por um homem inegavelmente medíocre e abusador. Sabemos exatamente tudo que ele pensa e todas as suas motivações – mesmo assim, é tarefa árdua conseguir sentir alguma simpatia por ele.

Han Kang, autora de “A Vegetariana”, durante o evento “The Man Booker Internacional Prize” de 2016.

Igualmente difícil é tirar conclusões prontas da obra, que provoca reflexões densas. Do começo ao fim, é possível interpretar os sonhos e as decisões de Yeong-hye de múltiplas maneiras. A leitura provoca questionamentos que ultrapassam o tema da alimentação e passam pelo feminismo, o direito ao próprio corpo, o casamento e a relação com a natureza. Como descreveu o jornal The Guardian: “Este romance é uma festa. Sensual, provocador, recheado de imagens potentes e questões perturbadoras. Frase a frase, é uma experiência extraordinária”.  No final das contas, A Vegetariana é principalmente sobre as muitas formas de resistir.

 

Sobre a Autora

Chama atenção o fato da obra ter sido escrito por uma mulher sul-coreana, já que não nos deparamos frequentemente com essa perspectiva. Nascida em 1970, Han Kang é romancista, poeta, artista musical e tem mais de 10 obras publicadas. É sem dúvidas uma das escritoras mais aclamadas da sua geração na Coreia do Sul e, inclusive, chegou a ser comparada com Franz Kafka, autor de A Metamorfose.

Em entrevista ao jornal português Diário de Notícias, a autora declarou que se sentiu honrada por todo o reconhecimento internacional que recebeu nos últimos anos (especialmente pelo prêmio Man Booker International Prize), mas garante que precisa da sua privacidade: “Necessito da minha solidão, das minhas horas para dedicar ao que faço. Felizmente, passada a febre inicial, as coisas voltaram à normalidade e eu consegui recuperar o meu método e, até certo ponto, o conforto do meu cantinho”.

Esperamos que esse conforto renda ainda outros romances complexos e viciantes.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Televisão
Giovana Silvestri

Uma busca pela juventude

“Amigos da Faculdade” toma uma novo rumo na sua segunda temporada, mas ainda traz seus personagens em busca do sonho de retorno à juventude. A série Amigos da Faculdade, da Netflix, estreou sua segunda temporada dia 11 de janeiro e trouxe consigo mudanças em seus personagens e seu enredo. Criada por Nicholas Stoller e Francesca Delbanco, a comédia recebeu inúmeras críticas em relação ao seu elenco e sua proposta. O show, como o título já insinua, acompanha o reencontro de seis amigos da faculdade que começaram a morar na mesma cidade vinte anos depois de se formarem. Ethan (Keegan-Michael Key), Lisa (Cobie

Leia a matéria »
Back To Top