fbpx
Expandindo a potência e relevância da diversidade, "Queer Eye Brasil" estreia com uma temporada colorida, divertida e impactante.

Expandindo a potência e relevância da diversidade, “Queer Eye Brasil” estreia com uma primeira temporada colorida, divertida e impactante.


UUm dos reality shows mais queridinhos dos Estados Unidos, Queer Eye, finalmente ganhou sua versão brasileira após seis temporadas originais lançadas pela Netflix, um especial gravado no Japão com o mesmo elenco estadunidense e uma versão alemã.

Nesta edição, nossos Cinco Fabulosos, como são conhecidos os apresentadores do reality, são Fred Nicácio (bem-estar), Guto Pequena (design), Luca Scarpelli (cultura), Yohan Nicolas (beleza) e Rica Benozzati (estilo).

 

Queer Eye Brasil

É muito difícil comparar qualquer versão com o programa original. Querendo ou não, os Fab 5 já estão associados com Jonathan Van Ness, Karamo Brown, Antoni Porowski, Tan France e Bobby Berk e, logo de cara, dá vontade de analisar quais são as diferenças deles com os brasileiros. Apesar de seguir o mesmo formato que estamos acostumados, começando o episódio com o grupo dentro de um carro enquanto um deles apresenta o herói ou heroína da vez, não tem como copiar as personalidades. Desde que começaram as adaptações de Queer Eye, já assumi para mim a ideia de assistir sem fazer um jogo dos sete erros — e acredito que não há estratégia melhor!

Além de trazer cinco apresentadores extremamente divertidos e com um ótimo dinamismo, tanto em grupo quanto individualmente, um dos melhores pontos do Queer Eye Brasil é que as realidades e problemas dos heróis são bem mais palpáveis para os espectadores brasileiros. Você provavelmente conhece uma ou mais pessoas com características ou situações parecidas e identifica algumas histórias que se repetem de alguma forma em seu contexto.

Todos os episódios da edição brasileira são envolventes e dão um baita orgulho ver o nosso entretenimento se expandindo e ganhando novas formas. É nítido como os apresentadores estavam curtindo muito todos os momentos e se entregando da melhor maneira possível. E por ser um programa cujo elenco é composto pela comunidade LGBTQIAP+, é muito importante que a franquia Queer Eye possa ganhar força no Brasil e no mundo.

Ver nas telas pessoas com baixa representatividade ao longo da história e em uma posição de força, relevância e trabalhando para ajudar outras é necessário para combater o preconceito e lutar para que os grupos marginalizados tenham mais espaço na sociedade. Assim Queer Eye Brasil mostra-se colorido, repleto de estampas, texturas e histórias. É o nosso país por um novo ângulo e com muito orgulho de quem é.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Música
Cecilia Basílio

We want to be you

Com um ano do lançamento de seu primeiro EP, Billie Eilish é um dos maiores nomes do cenário electropop alternativo e um dos nomes mais promissores de 2018.

Leia a matéria »
Back To Top