skip to Main Content
Lúcifer: Anjo Caído Ou Incompreendido

Lúcifer: Anjo caído ou incompreendido

Sempre que o assunto envolve as extremidades sobrenaturais da morte, surgem diversos questionamentos a respeito da real tranquilidade do Céu e do verdadeiro caos do Inferno. Esse tema já foi pauta de discussões fervorosas anos atrás e continua sendo figurinha carimbada em livros, filmes e agora na famosa série de televisão, Lucifer (2015).

O interessante em ter esse e outros temas relacionados a criação do mundo e obviamente, a Bíblia, é que propõe um grande debate a respeito desse assunto bem polêmico e desperta além da reflexão sobre a vida, uma série de defesas à respectivos pontos de vista.

Lucifer é uma série produzida pela FOX, estreando no início de 2016. A produção é baseada nos quadrinhos Lucifer, spin-off de The Sandman, ambos da editora Vertigo, selo da DC Comics voltado ao público adulto. Desde sua estreia, o show já conquistou milhares de fãs no mundo inteiro, seja pela excentricidade do personagem ou pelo sarcasmo explicito em cada parte do roteiro. Com duas temporadas de sucesso (e uma terceira em exibição), os espectadores esperam que nos próximos episódios alguns problemas sejam solucionados e que o inferno, de certa forma, chegue até o protagonista.

Para entender melhor o contexto da obra é preciso saber que Lucifer Morningstar (Tom Ellis) é o Senhor do Inferno há milênios, mas se cansou do trabalho e decidiu “tirar férias” por tempo indeterminado na cidade de Los Angeles. Deixando o Inferno para trás e sem ninguém para tomar conta, Lúcifer fugiu com sua aliada demoníaca Mazikeen (Lesley- Ann Brandt), abriu uma boate badalada no centro da Cidade dos Anjos e tomou para si uma vida de luxo e luxúria, até encontrar a detetive Chloe Decker (Lauren German). Despertando um outro lado no personagem principal, Decker também irá desencadear outros efeitos colaterais involuntários no protagonista, fazendo com que ele possa entender o que se passa em seu coração.

O seriado recebeu diversas críticas desde sua estreia, com algumas delas pedindo que o programa fosse cancelado por representar uma “violação das crenças religiosas e desrespeito com a Bíblia sagrada”. Tratar de assuntos de cunho religioso é complicado, visto que interfere no modo de pensar que um indivíduo tem e, muitas vezes, contestar o que foi dito desperta uma certa desavença. Isso acontece exatamente com o seriado da FOX, devido a tema apresentar um diabo que odeia morar no inferno e punir pessoas, sendo o oposto do que até hoje é o “estereótipo” do famoso Satanás.

A forma como essa questão é manipulada em Lucifer é bem icônica, com um constante uso de ironias (grande parte, com cunho sexual), sarcasmos e piadas tanto com Deus quanto com outros membros da história da criação. Morningstar também é atraente, dono de uma lábia extraordinária, uma libido gigantesca e um ego(ísmo) maior ainda.

Em sua primeira temporada, a série traz consigo os personagens (da esq. para dir.) Amanadiel (irmão de Lucifer), Mazikeen (sua serva), Lucifer, a detetive Decker, o detetive Dan (ex-marido de Decker) e Linda (a psiquiatra de Lucifer)

O roteiro acaba refletindo uma visão bem divertida acerca do que realmente aconteceu com o anjo caído, o motivo que o levou a se tornar o diabo e quais seus sentimentos a respeito de tal punição. Enquanto nunca houve uma versão da real história dessa figura extremamente conhecida, a série busca dar ao Rei das Trevas uma espécia de “poder de resposta” e contar o seu lado dos fatos, embora quase nenhum humano realmente acredite que ele é O verdadeiro Lúcifer.

 

Indicações

Se engana quem acredita que essa nova roupagem do Diabo acontece apenas em uma série de televisão específica. O tema já é repercutido bastante e um dos lugares para encontrar mais sarcasmos icônicos e uma personalidade diferente, são nas tirinhas Um Sábado Qualquer, criadas em 2009 pelo designer Carlos Ruas.

O blog de tirinhas também explora o lado humorado da criação do mundo e utiliza os personagens da Bíblia para criar situações cotidianas e mostrar como cada um reage ao que está sendo dito. O mais interessante é que o diabo também se sente muito incomodado por ser denominado o culpado de todos os problemas humanos e vive em um inferno completamente diferente do que as pessoas imaginam.

O filme de comédia Um Diabo Diferente (2000), protagonizado pelo ator americano Adam Sandler, é outro exemplo, dessa vez trazendo um enredo que dialoga com o lado paternal do Satanás. Na obra cinematográfica, Nicky é um dos filhos do Diabo e vai para Terra na tentativa de proteger o legado do seu pai e impedir que o mesmo morra nas mãos dos outros dois filhos. O interessante sobre a narrativa é a abordagem familiar que ela faz e as consequências que os conflitos relacionados a ela podem atingir na civilização humana.

South Park – Bigger, Longer and Uncut (1999) é um filme de animação americano lançado em 1999, que problematiza diversas situações da série e acompanha as aventuras de quatro crianças. No longa-metragem, o Diabo aparece como namorado de Saddam Hussein e eles possuem muitos problemas na relação, uma vez que o companheiro além de tarado é maligno. Entretanto, Satã é bastante sentimental, carinhoso, tem misericórdia por alguns humanos e merece uma pessoa melhor ao seu lado.

Ninguém nunca para e pensa sobre o diabo, nem mesmo usa o nome Lúcifer para se referir a ele. Com isso, várias áreas do entretenimento se sentiram com vontade de produzir algo que saísse do padrão e provocasse um questionamento, mas claro, de forma moderna, cômica e sem a pretensão de ofender as religiões.


laísa santos

sonhadora, extrovertida e pseudo cineasta. viciada em Filmes, Séries e Fotografia. e claro, a maior admiradora do Tim Burton que você respeita!

Comente com a gente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Back To Top