skip to Main Content
Let’s Start The Show!

Let’s start the show!

Em fevereiro de 2017, o The Graham Norton Show completou 10 anos de história com a estreia de sua 21a temporada. Seu episódio de retorno contou com nada menos que a dupla Sir Michael Caine e Morgan Freeman, marcando o início do novo ciclo. O chat show comandado pelo carismático irlandês Graham Norton foi criado em 22 de fevereiro de 2007 em parceria com Graham Stuart (produtor executivo do programa) e com produção da SO Television, produtora de entretenimento criada em 1998 por Norton. Formulado para competir com outros programas de bate-papo, The Graham Norton Show e o seu set vermelho e roxo vibrante se tornou ao longo de uma década uma sensação britânica. Por que será?

Nascido e criado no condado de Cork, na Irlanda, Graham Walker se mudou para Londres para que pudesse estudar dramatização na capital. Por já haver um artista com o mesmo nome que o seu, ao se juntar ao Sindicato dos Atores, ele adotou o nome de solteira de sua bisavó: Norton. Após alguns programas sem sucesso a sorte do ator frustrado mudou quando o mesmo foi convocado a substituir um colega em um talk show (a performance lhe rendeu o prêmio de melhor revelação pelo British Comedy Awards, em 1997). Graham já se aventurou pelo mundo da escrita com a sua autobiografia The Life and Loves of a He Devil (2014) e seu, até então, único romance intitulado Holding (2016). O tv host é também, desde 2009, o comentarista oficial do Reino Unido do Eurovison Song Contest (competição anual de música entre os países europeus).

Sua conexão com os talk shows remonta ao final da década de 90: em 1998 teve seu big break no canal britânico Channel 4 com o SO Graham Norton (1998-2002) sucedido pelo V Graham Norton (2002-2003), na mesma emissora. Em 2004 migrou para os Estados Unidos com o The Graham Norton Effect, televisionado pela Comedy Central. Durante os anos de 2005 e 2006 teve um programa na english telly chamado Graham Norton’s Bigger Picture: painel de convidados com o qual debatia as grandes histórias da semana. E desde 2007 apresenta o seu maior sucesso, o The Graham Norton Show, pela BBC One.

Existe algo a entender sobre a rede BBC inglesa: a emissora de tv pública possui uma extensiva rede de canais. Esses são: a BBC News (programação dedicada exclusivamente à notícia), os canais infantis CBeebies e CBBC e os quatro canais de programas variados conhecidos como BBC One, Two, Three e Four. Cada canal é especializado em certos conteúdos e possui uma identidade visual característica. O catálogo de programas varia entre entretenimento, ciência, artes, história, docs e outros. Existe, portanto, uma hierarquia entre esses quatro canais e a BBC One está no topo dessa cadeia. Em 2009, o The Graham Norton Show migrou da BBC Two para a prestigiada BBC One fisgando o mais nobre dos horários nobres de sexta-feira, privilégio que antes pertencia ao The Jonathan Ross Show. E desde então o talk show de Graham permanece no mesmo espaço, arrebatando uma bela audiência toda semana.

 

The Luck of the Irish

O National Television Awards, prêmio influente que prestigia o melhor da televisão britânica, homenageou esse ano o apresentador com o Special Recognition Award. O prêmio criado em 1995 já condecorou personagens ilustres da tv como Sir David Attenborough, David Tennant, a dupla Ant & Dec, Stephen Fry e muitos outros. A cerimônia aconteceu no dia 25 de janeiro na O2 Arena, em Londres, e a entrega do troféu foi atarefada à Hugh Bonneville. Graham foi chamado ao palco após ser exibido uma compilação de sua trajetória (de 20 anos!) pela tv, narrada por amigos e família. Dame Judi Dench, Will Smith, Dolly Parton, a diretora de conteúdo da BBC Charlotte Moore e sua companheira de tela do programa Let It Shine (2017), Mel Giedroyc, foram algumas pessoas que prestigiaram o colega.

“Graham Norton: The Making of a National Treasure” foi o título dado pelo jornal The Telegraph para uma matéria escrita sobre o apresentador que reforçou o título de lenda que ele lentamente vem estabelecendo. Muitos o comparam com Sir Terry Wogan, falecido apresentador irlandês de rádio e televisão previamente já considerado um “queridinho da nação”. Graham acumula diversos reconhecimentos por seu trabalho na televisão. Ganhou cinco de um dos mais prestigiados prêmios do meio, o BAFTA, no quesito Entertainment Perfomance (2000, 2001, 2002, 2011 e 2012) por suas performances individuais em um programa de entretenimento e seu chat show homônimo ganhou 2 BAFTAs (2013 e 2015). Já levou para casa três prêmios Best Comedy Entertainment Personality (2000, 2002 e 2011) concedidos pelo British Comedy Awards. 2001 se mostrou um ano relativamente agitado para o irlandês, tendo ele acumulado os títulos de personalidade de TV do ano (Tric Awards), melhor artista (Broadcasting Press Guild Awards) e de melhor apresentador (RTS Television Award).

Graham Norton recebendo o National Television Awards

Mas qual seria o motivo de tanto sucesso? O site The A.V. Club cita algumas das caraterísticas do chat show que o destacam em relação aos de seus colegas (britânicos e americanos) na matéria intitulada In an era of gimmicks, The Graham Norton Show keeps the conversation going (Na era dos truques, The Graham Norton Show faz a conversa fluir). Alguns dos itens considerados auxiliadores no sucesso do programa são: a quase inexistente censura de palavrões por parte da televisão inglesa (não acredita? Assista a qualquer episódio de Celebrity Juice); a política de free booze (os convidados são recebidos no set com bebidas alcoólicas previamente selecionadas) e o modelo do chat show conhecido por reunir todos os convidados ao mesmo tempo, juntando atores, diretores, cantores e comediantes em um único sofá vermelho. E claro, há de se destacar a incrível capacidade de Graham de escutar e adaptar aos seus convidados, conduzindo-os sem aparente esforço pela estrada do bom humor e dos comentários rápidos e inteligentes. O fato de ser um show semanal foi apontado nos comentários da página como um fator crucial da qualidade dos episódios.

Uma das principais atrações do programa é a big red chair (a cadeira vermelha). Na qual, ao final de cada programa, sentam-se pessoas pré-selecionadas que contam breve histórias pessoais. Graham e os seus convidados da noite são postos a escutar as anedotas e possuem a opção de virar a cadeira para trás, através de uma alavanca, se a coisa degringolar ou se tornar entediante. O resultado muitas vezes é hilário, com contos genuinamente cômicos. Um fato interessante é que são distribuídos ingressos para assistir de graça o programa em Londres, porém a demanda é grande e os tickets costumam esgotar rápido. Para conseguir um é necessário preencher um formulário de inscrição através do site da empresa SRO Audiences.

O youtube oferece a possibilidade de assistir a quase todos os episódios na íntegra e há vários vídeos compilando os melhores momentos dos últimos anos. Eles vão de Matt Damon afirmando que foi “a maior diversão que játive em um talkshow” em um episódio hilário com seus colegas Bill Murray e Hugh Bonneville; Benedict Cumberbatch reencenando fotos de lontras; Julie Walters enfiando a mão dentro da boca do rapper 50 Cent para poder sentir os fragmentos de bala em sua língua; a vergonha alheia ao ver Mark Wahlberg bêbado no programa; a divertida de Greg Davies sobre usar a calcinha da mão e por ai vai. Em entrevista ao This Morning, Graham comentou sobre o emocionante fato de que Carrie Fisher fez sua última aparição televisiva em seu programa e diz que gostaria de ter feito um trabalho melhor: “demorou bastante tempo para entender que ela se foi”. A eterna princesa leia faleceu depois de sofrer um ataque cardíaco apenas duas semanas após aparecer no sofá vermelho.

Episódio 18 da 14ª temporada com Matt Damon, Bill Murray e Hugh Boneville.

A 22a rodada do programa estreou no finalzinho de setembro. (Inserir aqui nomes da lista que está pra sair) são algumas das atrações agendadas para as próximas semanas. O The Graham Norton Show está previsto para ir ao ar até março de 2018, totalizando 24 episódios nessa temporada.


samantha burton

estudante de Jornalismo que ama viajar, ver Filmes e Fotografar. Inglesa por nascença e brasileira por criação decidiu voltar para o curso depois de morar dois anos na Alemanha. a frase “the world is my oyster” define sua visão aberta de mundo e de possibilidades.

Comente com a gente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Back To Top