fbpx
"Eu Nunca...", traz um bom refresco para o católogo de séries teen da Netflix, com uma temporada divertida e pautada na representatividade.

“Eu Nunca…”, traz um bom refresco para o católogo de séries teen da Netflix, com uma temporada divertida e pautada na representatividade.


NNo vasto catálogo da Netflix, um dos gêneros ou estilos de produções que mais apresenta opções é o de conteúdo teen. Eu Nunca…, nova série da gigante do streaming, apresenta uma nova versão de comédia romântica adolescente, com temas frescos para um plano de fundo batido, personagem envolventes e histórias cativantes.

A série, inspirada na juventude da produtora Mindy Kaling, traz a história de Devi (Maitreyi Ramakrishnan), que a todo tempo tenta se tornar popular, conquistar o crush, lidar com sua prima perfeita, com sua mãe e com a morte do pai – este último evento, lhe fez ficar paraplégica por três meses. A história é narrada pelo ex-tenista John McEnroe, que teve sua carreira marcada pelo comportamento excessivo e temperamento explosivo, assim como a protagonista da série.

 

RELAÇÕES AFETIVAS EM PAUTA

A produção de Eu Nunca… precisa ser parabenizada por colocar um elenco extremamente heterogêneo e representativo. A personagem principal de família indiana, o garoto mais popular da escola com descendência asiática, uma amiga negra e uma asiática. Mas apesar de toda essa representatividade proposta, a série peca ao abordar a gordofobia, com um personagem que é vítima constante de bullying, em uma repetição que chega a ser cansativa.

Respectivamente da direita pra esquerda, as personagens Devi, Eleanor e Fabiola

Um dos outros méritos da produção é construir arcos de amizades especiais. Em todo conflito presente na narrativa, é possível enxergar que as amigas Devi, Fabiola (Lee Rodriguez) e Eleanor (Ramona Young) devem realmente continuar juntas, fazendo com que o telespectador torça pela reconciliação das meninas. A história entre Devi e Ben (Jaren Lewison) cresce ao longo da temporada e passa de uma rivalidade desde o jardim de infância a algo inesperado e apaixonante.

Há também personagens extremamente simpáticos em Eu Nunca…, como a irmã de Paxton Hall-Yoshida (Darren Barnet), Rebecca (Lily Moore), que tem Síndrome de Dawn e não é definida por sua condição, vivendo a vida como uma adolescente normal. Outros personagens inusitados que cativam é Kamala (Richa Moorjani), prima de Devi, o noivo arranjado de Kamala, Prashanti (Rushi Kota) e a psicóloga interpretada por Niecy Nash.

Além das amizades, o público pode se apaixonar pela relação familiar da protagonista, construída entre uma discussão e outra entre a personagem a sua mãe, Nalini (Poorna Jagannathan). Após a morte do pai, Mohan (Sendhil Ramamurthy), a convivência das duas se torna extremamente difícil. A atuação de Poorna e Maitreyi é bem convincente e é possível sentir raiva tanto da mãe quanto da adolescente. O arco mãe e filha tem grande lugar em Eu Nunca…assim como na vida de grande parte de meninas adolescentes. Toda essa história acaba nos mostrando um pouco mais da cultura indiana, que tem grande influência na família de Devi.

Com uma narrativa recheada de referências contemporâneas, que vão desde o casamento entre Priyanka Chopra e Nick Jonas, o grupo de Kpop BTS, a série Riverdale e o festival de música Coachella, Eu Nunca… cumpre seu papel de série atual voltada para o público teen, trazendo um bom refresco e uma nova abordagem para o vasto catálogo de produções parecidas do segmento de comédia teen da Netflix.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Televisão
vics

A “Gotham” de Jim Gordon

Dentre todos os super-heróis já criados, o Batman é, possivelmente, o personagem que mais rendeu adaptações de seu universo, seja para a TV ou para o cinema. Não importa se o produto em questão vai ser estrelado por Bruce Wayne (como a série original e a trilogia dirigida por Christopher Nolan), por seus coadjuvantes (as vindouras séries Pennyworth e Batwoman) ou seu extenso time de vilões (os filmes Mulher-Gato e Esquadrão Suicida ou a série e futuro longa Aves de Rapina). O ponto é que é raro passarmos muitos anos sem algo relacionado ao Morcegão na mídia mainstream. E é graças

Leia a matéria »
Televisão
Deborah Almeida

Kanpai, Queer Eye!

“Queer Eye” vai ao Japão para episódios especiais, unindo suas histórias fortes e bonitas conexões com uma ótima mudança de ares e culturas.

Leia a matéria »
Back To Top