fbpx

A magia do Natal presente em “Dash & Lily”

"Dash & Lily" chega à Netflix inspirada pelo Natal, em uma trama simples focada nas transformações mágicas dessa época do ano.

“Dash & Lily” chega à Netflix inspirada pelo Natal, em uma trama simples focada nas transformações mágicas dessa época do ano.


OO fim do ano está chegando e, com isso, várias produções com a temática natalina vão sendo lançadas. E a Netflix, claro, não fica de fora dessa tendência. Assim como nos anos anteriores, além de lançar longas que envolvem a temática natalina e de festas de fim de ano, chega à plataforma de streaming a série Dash & Lily, baseada no romance homônimo de Rachel Cohn.

A trama se passa na cidade de Nova York alguns dias ante do Natal, cenário este que apresenta os protagonistas desta história: Dash (Austin Abrams) e Lily (Midori Francis). Dash é um adolescente que odeia o Natal acima de tudo, tendo ainda que lidar com pais divorciados e o término de seu namoro. Dash não vê muitas alegrias nessa época do ano e não consegue enxergar nada de positivo nisso.

Enquanto isso, Lily é o oposto. Ela vem de uma família grande e unida, e é apaixonada pelo Natal. Trata-se de sua época favorita do ano, ainda mais que seus avós e seus pais se conheceram durante as festividades, de forma que ela sonha em viver um grande amor como as outras pessoas de sua família.

https://www.youtube.com/watch?v=rCJx5nPmRpo

Porém, um imprevisto ocorre na comemoração anual da família de Lily, o que obriga a jovem a buscar uma companhia. Dessa forma, influenciada por seu irmão mais velho, ela decide escrever num caderno e deixa-lo numa livraria local na esperança de que alguém encontre e entre em contato com ela. Por mais impossível ou irreal que possa parecer, Dash encontra o caderno de Lily por acaso e começa a estabelecer uma comunicação a partir daí.

Dash & Lily conta com um total de oito episódios, cada um com cerca de 30 minutos de duração, em que o público tem a oportunidade de acompanhar os desencontros e encontros entre seus protagonistas. A princípio os dois decidem não se encontrarem pessoalmente, optando pelo caderno como principal meio de comunicação. Além de conversarem através das páginas e de combinarem possíveis locais onde possam deixar o caderninho, ambos constantemente desafiam um ao outro com o objetivo de descobrir algumas informações básicas e para sair de suas zonas de conforto.

Midori Francis, como a jovem Lily

Num primeiro momento Dash e Lily parecem ser bem diferentes um do outro, mas com o decorrer dos episódios fica claro que eles possuem mais em comum do que podem imaginar. Essa similaridade dos personagens pode ser observada na construção narrativa, que intercala a visão de ambos de forma que observamos eles frequentando os mesmos locais de maneira indireta. É uma trama interessante de acompanhar, deixando o telespectador envolvido na história e ansioso para saber quando e como vai ocorrer o tão esperado encontro entre os dois.

Ainda é preciso destacar o desenvolvimento que os personagens ganharam ao longo da história, que exploram o traumas de seus passados – especialmente os de Lily. É interessante ver, a partir disso, como os personagens vão se superando a cada momento, consequência dos desafios que Dash e Lily fazem para sair da zona de conforto.

Austin Abrams, como o jovem Dash

Por mais que se trate de uma trama simples, Dash & Lily é bem executada, se mostrando gostosa e envolvente de assistir – e a melhor parte de tudo é que a série consegue transmitir para o público a magia do Natal. Ao assistir os oito episódios, você termina acreditando no amor, na magia e em todos os clichês que estão presentes nessa época festiva.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Opinando
Mike Faria

Divagando / “Pitty: Admirável Álbum Atual”

Quem nunca cantou Máscara, Equalize e Teto de Vidro? Essas são algumas das músicas do álbum Admirável Chip Novo, de Pitty, que completa neste mês 16 anos de lançamento. Em meio a grandes hits e letras que marcaram uma época, o disco tornou a cantora referência no cenário musical – em especial no rock brasileiro. O disco, cujo título faz referência ao livro Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, chamou logo atenção do público. Com seu primeiro trabalho, a cantora chegou ao topo da lista de mais vendidos, com 370 mil cópias. O sucesso de público e crítica ganhou também

Leia a matéria »
Back To Top