fbpx
Uma das maiores artistas do Brasil, Rita Lee ganha exposição inédita revivendo momentos icônicos da carreira.

Uma das maiores artistas do Brasil, Rita Lee ganha exposição inédita revivendo momentos icônicos da sólida carreira.


AA Rainha do Rock Brasileiro, conhecida pelo humor ácido, histórias incríveis e músicas marcantes ganhou uma exposição inédita no Museu de Imagem e Som (MIS) de São Paulo. Rita Lee Jones e sua trajetória foram homenageadas no museu, com curadoria feita pelo filho, João Lee. A exibição começou em setembro deste ano, e ficará disponível até 20 de fevereiro de 2022.

A jornada de Rita Lee, tanto pessoal quanto na música, não é segredo para ninguém. Ela já foi entrevistada dezenas de vezes, escreveu uma autobiografia e compartilhou várias histórias enquanto apresentadora do programa Saia Justa, do GNT. Inclusive, para quem não conhece as histórias da cantora, o livro é uma ótima recomendação. As suas grandes aventuras da vida incluem passar pela alfândega com um colar feito de LSD, lamber a maçaneta da gravadora Apple por causa dos Beatles e ter uma onça de estimação. Leia o livro e me agradeça depois, juro que não vai se arrepender.

Pois bem, voltando à exposição, não há nada de realmente novo a ser contado e, por isso, o destaque vai para roupas marcantes usadas pela cantora em suas apresentações. Os 42 looks selecionados foram colocados em estátuas em tamanho real, e cada um deles conta com uma breve apresentação da história por trás da roupa.

Cada visual tem um pequeno texto, que pode ser lido na parede ou ouvido sendo lido pela voz da própria Rita Lee, disponível por um QR Code em cada seção. O museu também produziu vídeos em linguagem de sinais para cada texto, todos igualmente acessados por um QR Code.

SAMSUNG ROCK EXHIBITION RITA LEE
As exposições acontecem de terça a domingo, das 10h às 18h. Os ingressos custam R$50, com opção de meia entrada. De terça a sexta, os primeiros horários (10h, 10h30 e 11h) são gratuitos, mas os ingressos devem ser retirados com antecedência pelo site ou bilheteria. Mesmo que você vá comprar um ingresso, é importante não deixar para a última hora, pois esgotam rapidamente.

Como uma grande fã, foi incrível ver as roupas tão perto de mim. Infelizmente nunca fui a nenhum show, pois ela se aposentou dos palcos em 2012. Mas já assisti todas as performances, e foi emocionante estar tão próxima de itens pessoais da minha ídola.

Dentre os diversos looks, os mais marcantes da carreira não ficaram de fora. O vestido de noiva usado por Leila Diniz na novela O sheik de Agadir (1966), que lhe foi emprestado pela própria atriz, mas que Rita jamais devolveu aos camarins da Globo. As botas de plataforma roubadas na boutique de Barbara Hulanicki em Londres, em 1973. O figurino icônico usado na turnê Santa Rita em Sampa (1997), quando ela colocou várias réplicas do próprio rosto em uma estrutura e vestiu, como se tivesse sete cabeças. A roupa de presidiária que usou em seu primeiro show após ser presa durante a ditadura, em 1976, dentre outras peças icônicas.

Importante ressaltar que todos os manequins foram feitos exclusivamente para a exposição, com expressões faciais características de Rita Lee e com a cor de cabelo que usava na época.

Além das roupas, a exposição traz alguns materiais referentes ao período da ditadura militar no país. Ela foi apelidada de “Proibidona” e “Rainha da Censura” na época, pois suas músicas eram constantemente barradas pelo governo. Você pode conferir documentos da época, justificando as censuras, cartas enviadas e recebidas enquanto estava presa e uma letra inédita de uma canção sua com o marido, Roberto de Carvalho, que não foi permitida pelo governo e acabou não sendo publicada posteriormente.

Do acervo pessoal de Lee, também há muitas fotos de sua família, manuscritos de músicas, instrumentos, desenhos e colagens feitos por ela, coleções de óculos e troféus e outros objetos. Ao final, há uma seção exclusiva sobre seu lado ativista ambiental, com seu livro infantil “Amiga Ursa” e um figurino recente, usado para uma entrevista à revista Claudia de setembro deste ano.

A visita ao museu é um grande atrativo para admiradores de sua carreira. O mundo que Rita Lee nos convida a conhecer é impressionante, e é uma oportunidade de estar mais próximo dela. Sua importância na música brasileira é indiscutível, mas talvez falte falar sobre a rainha como referência no mundo da moda. Quem sabe isso não muda um pouco?


A exposição acontece no MIS, na Avenida Europa 158 (bairro Jardim Europa — São Paulo/SP), até fevereiro de 2022.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Ampulheta
João Dicker

Ampulheta / “O Enigma de Outro Mundo” (1982)

Assistir à O Enigma de Outro Mundo em tempos que se discute conceitos como o “pós-horror” ou o “meta-terror” é extremamente revigorante. Se os entusiastas dessa nomenclatura apregoam como virtude nos filmes contemporâneos uma roupagem do “arthouse” para o gênero, o que John Carpenter faz nesta obra prima é oposto: ele recorre a estética de filme B e na simplicidade como sofisticação para entregar uma grande obra do terror que ecoa, tanto no uso da linguagem como no tema, a dificuldade humana em viver coletivamente. Propor uma temática principal para O Enigma de Outro Mundo é um exercício um tanto
Leia a matéria »
Televisão
Vitória Silva

Uma série de super-heróis que não é sobre super-heróis

The Umbrella Academy, a mais nova aposta da Netflix, apresenta um novo universo super- heróico que foge totalmente dos clichês que estamos acostumados. As séries de super-heróis não são nenhuma novidade na Netflix. Após ter produzido, em parceria com a Marvel, títulos como Jessica Jones, Demolidor e Justiceiro – todas elas canceladas – o serviço surge com uma nova aposta de adaptações de quadrinhos: The Umbrella Academy. Inspirada nas HQs criadas por Gerard Way e pelo brasileiro Gabriel Bá, a série conta a história de sete crianças com poderes grandiosos adotadas pelo bilionário Reginald Hargreeves (Colm Feore) para formarem uma

Leia a matéria »
Back To Top