skip to Main Content
Uma Viagem Pelo Universo

Uma viagem pelo universo

Baseado no livro homônimo de Madeleine L’Engle, Uma Dobra no Tempo (2018) chegou aos cinemas brasileiros no final de março com a aposta de ser um filme infanto-juvenil que em meio a fantasia transmitiria mensagens importantes sobre a autoaceitação, o poder da esperança e sobre os laços familiares e de amizades.

A trama gira em torno da adolescente Meg (Storm Reid) e de seu irmão caçula, Charles Wallace (Deric McCabe), que sofrem com a ausência de seu pai, Dr. Murry (Chris Pine), um renomado físico que trabalhava em um misterioso projeto científico e que desapareceu há quatro anos sem deixar nenhuma pista. Apesar deste tempo sem a presença paterna, os irmãos ainda sentem fortemente essa perda. Nesses últimos anos, Meg acabou se tornando uma jovem hostil, desconfiada, com poucos amigos e que enfrentou diversos casos de bullying na escola. Enquanto isso, Charles Wallace é visto como um esquisito, até mesmo um pouco doido, por ser muito inteligente.

Quando a esperança de encontrar seu pai estava quase morrendo, Meg e Charles são surpreendidos ao encontrar com as guardiãs do universo, três mulheres responsáveis por ajudar os necessitados de esperança e força no universo. Assim, a Sra. Quem (Mindy Kaling), Sra. Qual (Oprah Winfrey) e a Sra. Queé (Reese Witherspoon), enviam Meg e Charles, que estão acompanhados de um colega da escola chamado Calvin (Levi Miller), em uma aventura para encontrar o pai dos irmãos, viajando em uma dobra no tempo, conhecida como tessering. E para conseguir voltar a Terra e ajudar o seu pai, Meg precisará lutar contra a escuridão que existe dentro de si para derrotar as forças malignas que aos poucos estão envolvendo o universo.

Por se tratar de um longa focado para o público infanto-juvenil, fica claro que a diretora Ava DuVernay pensou nos mínimos detalhes nos quesitos estéticos: as cores, os cenários e os efeitos especiais. Tudo foi elaborado para criar uma experiência lúdica para o público, desde a fotografia assinada por Tobias A. Schliessler e a direção de arte de Gregory S. Hooper e Jeff Julian, supervisionados por David Lazan, foram os grandes pontos positivos do filme, fazendo com que Uma Dobra no Tempo seja uma experiência estética interessante e criativa, mas que não consegue cumprir com todas as suas expectativas narrativas.

De forma geral, o roteiro é confuso em diversos aspectos. Nem mesmo os grandes nomes como Oprah Winfrey, Reese Witherspoon, Chris Pine, Mindy Kaling, Gugu Mbatha-Raw e Michael Peña conseguem amenizar as falhas presentes no texto. Algumas sequências são muito prolongados, dando a sensação de enrolação, sem contar com a montagem que não ajuda a criar continuidade em diversas cenas, não apresentando uma ligação coerente.

Meg, seu irmão Charles Wallace (Deric McCabe) e o amigo Calvin O’Keefe (Levi Miller) utilizam o tessering para viajar pelo universo em um piscar de olhos

Apesar desse viés negativo no roteiro, é importante destacar o caráter representativo que a obra possui, uma vez que não só DuVernay foi a primeira mulher negra a comandar uma produção de mais de 100 milhões de dólares, mas também por possuir um elenco inclusivo que toma papeis de protagonismo na trama e de personagens fortes: como a jovem protagonista ser uma garota negra e as guardiãs do Universo serem vividas por uma negra, uma descendente de indianos e uma branca. Em entrevista para a revista Time, a diretora revelou alguns de seus critérios para a escolha do elenco: “Eu não estava apenas procurando por atrizes. Eu estava procurando por líderes – ícones. Reese é a produtora mais popular da cidade. Oprah é a mais prolífica e venerável lenda da televisão e uma artista e empreendedora. E Mindy é uma das poucas mulheres dirigindo um programa com o nome dela, sobre ela”, contou.

Apesar de frequente, a tarefa de adaptar obras literárias para as telas de cinema não é das mais fáceis e, em pleno 2018, parece que a prosperidade das adaptações de obras infanto-juvenis chegou ao seu fim. Foi-se o tempo das adaptações memoráveis como As Crônicas de Nárnia (2005), Ponte Para Terabítia (2007) e das franquias Harry Potter e Jogos Vorazes.

Da esquerda pra direita: Sra. Quem (Mindy Kaling), Meg Murry (Storm Reid), Sra. Qual (Oprah Winfrey), Dr. Alex Murry (Chris Pine) e Sra. Queé (Reese Witherspoon)

Ao final, Uma Dobra no Tempo deixa a desejar, uma vez que apresenta inúmera falhas em seu roteiro. Mas, apesar dos aspectos negativos, o longa consegue cumprir com o seu papel fantasioso, criando um universo lúdico por meio dos efeitos especiais e com alguma representatividade importante, mostrando que as meninas podem sim salvar o mundo.


bruna curi

tem 20 anos, é estudante de Jornalismo, mineira, capricorniana e blogueira nas horas vagas. apaixonada por Livros, Filmes e Séries. gosta de escrever, é uma de suas maiores paixões.

Comente com a gente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Back To Top