fbpx

A dinâmica de bom presságio em “Sorte”  

"Sorte", nova animação da Apple TV+, chega para trazer os conceitos de sorte e azar em uma animação divertida e leve.

“Sorte”, nova animação da Apple TV+, chega para trazer os conceitos de sorte e azar em uma animação divertida e leve.


SSob o comando de Peggy Holmes, a animação Sorte estreou no catálogo da Apple TV+ no dia 5 de agosto e causou um burburinho pela sua temática e estilo animado. O longa é estrelado pro Eva Noblezada, Simon Pegg e Whoopi Goldberg.

Na história conhecemos Sam, uma garota que acabou de completar 18 anos e precisa lidar com os desafios da vida adulta como trabalhar e estudar, grande amiga de Hezel, uma criança no orfanato com quem sonha em ter um família, porém nossa protagonista tem mais azar que sorte. O plot de Sorte acontece quando ela ganha uma “moeda da sorte” pelo gato preto, Tom e ainda consegue perder o que te dava mais sorte e principalmente cumprir a promessa de entregar uma moeda da sorte para Hezel, desde então sua jornada começa.

O legal está em como a narrativa trabalha os conceitos de sorte e azar, desde os símbolos: coelho, gato preto, trevo de quatro folhas, elfos e todo um universo de criatividade para o telespectador. A protagonista Sam, lembra em muitos momentos Lindsay Lohan na amada comédia romântica Sorte no Amor. O que destaca em nossa mocinha é que mesmo azarada, seu jeito altruísta demais pensar em Hezel do que nela própria.

A medida que Sorte vai avançando vemos que Sam entra na Terra da Sorte, somente aí a história cresce em grande proporção, aqui entendemos todo o funcionamento da palavra sorte e o que aquelas criaturas naquela terra fornece para dar sorte aos humanos, funcionando quase como um Divertidamente e Soul vemos como esses conceitos são bem trabalhados em uma forma de resolver o impasse de Sam e fazer com que a humana não fique ali para justamente não da azar. Falando em azar, temos o oposto em Azarópolis, terra do azar. É muito rico como a história preocupa em não só desenvolver o conceito de sorte mas o de azar também e principalmente em Sam que é o azar em pessoa.

Tom é o que da o charme para a história, apesar de ambíguo em muitos momentos não sabemos se ele diz a verdade ou não e principalmente vemos que ele é bem solitário, com a chegada de Sam, no início eles decidem que tudo será apenas profissional, sem abraços e apenas uma promessa, pegar uma moeda e sair da Terra da Sorte mas o gato decide encarar a missão mesmo a contra gosto e ajudar a jovem, além de fofo, Tom garante boas risadas ao telespectador e em cada situação que eles se encontram.

O que é legal de analisar em Sorte é que não há presença de vilões. Aqui a maior antagonista é a própria Sam e a aleatoriedade do azar — mas como isso acontece com a protagonista, é tudo de forma muito orgânica e dinâmica.

Agora temos que enaltecer os aspectos técnicos. Podemos perceber que tanto Terra da Sorte tem uma coloração mais esverdeada, enquanto Azarópolis tem uma coloração mais roxa e cores complementares, além de criaturas encantadoras como unicórnios e dragões.

O que deixou a desejar em alguns aspectos foi saber mais da história de Hezel. Ela tem a função principal na história mas acaba sendo engolida pelo “Mundo da Sorte” em grande parte da projeção. Outro ponto que faltou foi a trilha sonora. Apesar de ser assinado pelo compositor John Debney, que compôs para Expresso Polar, senti falta de uma música que fosse a assinatura e o tema do filme.

Sorte cumpre o que promete ao tratar de um tema tão universal de maneira simples e complexa em colocar sorte e azar no mesmo patamar no mundo imaginário e no mundo real.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
João Dicker

Seria melhor se “Hellboy” estivesse no Inferno

Em meio a um cenário em que Hollywood tem explorado de reboots diversos das mais variadas franquias e séries de filmes, a retomada de uma produção de Hellboy é algo curioso. Os dois primeiros filmes, dirigidos por Guillermo del Toro, podem não ter garantido retornos econômicos exorbitantes para o estúdio, mas a qualidade enquanto produto e, principalmente, o olhar autoral do diretor mexicano para a criação daquele universo fantástico-sobrenatural garantem personalidade aos dois projetos. Passados mais de 10 anos da última aparição do personagem nas telonas, Hellboy volta em uma nova versão que, de forma trágica, acaba por ser um

Leia a matéria »
Back To Top