fbpx
Elevado pelas atuações e por bons momentos isolados, "Não Se Preocupe Querida" desperdiça uma ótima premissa com uma narrativa pouco inspirada.

DDiversas das experiências no cinema que tenho terminam com a reclamação de que o filme assistido propunha pouco visualmente. No caso de Não Se Preocupe Querida, é um pouco o caminho oposto. Apesar da criatividade e do arrojo visual (o que, no geral, já faz do filme bem melhor do que muita coisa mediana que tem sido lançada recentemente), acaba que o saldo do mais novo filme da Olivia Wilde é um tanto quanto frustrante.

Essa sensação vem, também, pelo movimento proposto por Wilde enquanto diretora. Seguindo o ótimo Fora de Série, a atriz-diretora opta por uma empreitada cinematográfica mais madura e desafiadora – e aí vem a queda dura para ela que aumenta o sarrafo com orçamento, nomes estrelados e escala de produção, mas tem dificuldade de dar conta de uma narrativa mais complexa.

Não que o mistério de Não Se Preocupe Querida seja cabeçudo ou tenha um quebra-cabeças difícil de se desvendar. Pelo contrário, as reviravoltas são até bem perceptíveis e anunciadas, mas existe um esforço muito digno e em muitos momentos bem recompensador ao espectador, especialmente no interesse de criar imagens visualmente intrigantes.

A grande questão é que essas imagens interessantes são momentos isolados, nacos de uma narrativa que poderia ser muito mais coesa, tanto pelo roteiro escrito, quanto pelo texto decupado. Enquanto a condução do mistério, por exemplo, é muito monótona, a construção da atmosfera utópica e da protagonista vivida por Florence Pugh (especialmente) são muito bem resolvidas.

Existe em Não Se Preocupe Querida, um jogo de aparências que funciona tematicamente durante todo o longa, mas o grande (e talvez o maior problema) é que o roteiro se esquece de trabalhar este jogo de maneira mais potente. Em outras palavras, o filme de Wilde sabe bem o que quer dizer, mas falta arrojo e destreza para levar o espectador as conclusões – ou minimamente a perceber as ideias que se fazem presente – por uma via mais impactante.

A grande sensação é que ao ficar tão preocupado em acertar o tom e, sobretudo, a mensagem a respeito dos papéis sociais e culturais presentes em toda dinâmica de poder das relações de gênero, Não Se Preocupe Querida esquece do que é primordial em um filme: contar uma história.

Em meio a certas confusões e a boas sequências isoladas de atmosfera, ambientação e dinâmica de personagens, temos alguns pontos positivos constantes. Apesar das críticas e piadas com a performance de Harry Styles que assolam a internet, o trabalho do músico britânico é bem consistente e correto com o que o papel pede. O Jack vivido por Styles tem o carisma necessário para manter o personagem em sua pose de marido perfeito, e até mesmo nas cenas de maior amplitude dramática o britânico entrega o que é necessário (especialmente se pensarmos na construção do personagem, junto do que nos é revelado posteriormente).

A fotografia e a direção de arte (assim como o design de produção), são impecáveis, construindo o ambiente utópico perfeito – evocando a arquitetura, o estilo e a moda dos tempos áureos do american way – enquanto a fotografia trafega entre a luz ensolarada da Califórnia e o sombreamento de isolamento para a personagem protagonista.

Sobretudo, o maior destaque aqui é mesmo a atuação de Florence Pugh. A jovem atriz, que já se encontra entre os mais elogiados nomes de novos talentos de Hollywood, reafirma sua merecida posição como expoente de uma geração e faz um trabalho potente, profundo e intenso, capaz de salvar diversas cenas de diálogos fraquíssimos.

No geral, Não Se Preocupe Querida acaba como uma experiência frustrante não só pelos nomes envolvidos na produção (polêmicas a parte) e pelo sucesso anterior de Olivia Wilde na direção, mas principalmente pelo descarrilar dos trilhos de uma narrativa que se inicia instigante e acaba simplória.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Ampulheta
João Dicker

Ampulheta / “Crepúsculo dos Deuses” (1950)

Se fosse necessário descrever Crepúsculo dos Deuses (1950), filme clássico de Billy Wilder, diria que se trata de uma história de amor machadiana. Por mais estranho que possa soar - afinal, nunca saberei se Wilder sequer leu Machado de Assis – o longa-metragem dialoga fortemente com Memórias Póstumas de Brás Cubas. O defunto-narrador do escritor brasileiro diz que escreve com “a pena da galhofa e a tinta da melancolia” e Wilder, enquanto cineasta-autor, faz o mesmo – e por consequência o seu narrador morto também – para contar um romance melancólico e sofrido com o próprio cinema. Ter um cadáver
Leia a matéria »
Back To Top