fbpx

A música e vida de Zach Sobiech pelos olhos da Disney

“Clouds”, novo filme da Disney+, se baseia em uma história real do músico Zach Sobiech para contar sua trajetória por um olhar íntimo.


DDesde que o serviço de streaming da Disney estreou, diversas produções originais vêm sendo divulgadas na plataforma – e uma delas é Clouds, o novo filme do diretor Justin Baldoni. O longa metragem conta um pouco da história do músico Zach Sobiech e é baseado não apenas na história do artista, mas também no livro Fly a Little Higher: How God Answered a Mom’s Small Prayer in a Big Way, escrito por Laura Sobiech, mãe do músico.

Zach Sobiech era um cantor e compositor estadunidense que foi diagnosticado com osteorsarcoma (câncer nos ossos), e que durante seu último ano de vida decidiu se dedicar a música. Ele não só compôs várias canções, como também formou a banda A Firm Handshake com a melhor amiga Samantha Brown.

Clouds é um filme muito sensível ao abordar a história de Zach e as relações do adolescente com os pais, a namorada, os amigos e principalmente consigo mesmo. É uma história inspiradora, de superação e esperança, mas que não esconde as dificuldades da doença. É possível entender um pouco a forma como o câncer afetava a vida do música e o que ele já tinha vivenciado desde o seu diagnóstico.

O diretor Justin Baldoni sai do clichê do típico drama adolescente e aprofunda nas realizações de Zach Sobiech, como na forma como a música influenciou a vida do artista depois da descoberta da doença e como isso contribuiu para a vida pessoal dele.

Amy e Zach, respectivamente interpretados pelos atores Madison Iseman e Fin Argus

Na história, o público conhece a família de Zach (Fin Argus), a melhor amiga Samantha Brown (Sabrina Carpenter) e a namorada Amy (Madison Iseman). Desde o início, acompanhamos o desenrolar do namoro de Zach e Amy e a importância da garota na vida dele. Não existia ciúmes, cobranças ou o clichê do romance ser a salvação do protagonista. É um amor puro, de carinho e cumplicidade. Amy era uma alegria na vida do músico e essa sintonia fica muito clara durante Clouds.

Outro foco muito importante é a amizade entre Samantha e Zach. A música era uma conexão entre eles, ficando visível no longa que essa parceria fez Zach descobrir o seu propósito no mundo – além de mostrar como Samantha foi uma das responsáveis pelo envolvimento dele com a música. É interessante observar que o música também foi uma grande inspiração para a vida da jovem e fez com que ela se arriscasse mais e não ficasse presa em sua zona de conforto.

A produção ainda mostra o que levou o músico a escrever a música Clouds, e como ela viralizou em 2013, dando o pontapé inicial para a carreira musical dos dois. Justin Baldoni faz um ótimo trabalho em apresentar a história de Zach sem romantizar os aspectos difíceis ou cair em diversos clichês já apresentados. O público cria uma sintonia e empatia com o personagem logo no início, além de entender que apesar da trajetória do artista não ter sido fácil, ele viveu intensamente e tentou se encontrar como pessoa.

Zach e Samantha, interpretada por Sabrina Carpenter

Clouds não é o filme em que vai mostrar apenas as maravilhas da vida do personagem antes de falecer, como também não é aquele filme que apresenta o amor como a salvação. Clouds é uma obra íntima da vida de Zach Sobiech e apesar de ser uma película jovem, é uma experiência real de um garoto que mudou a vida de quase todos ao seu redor e que viu um sonho ser realizado: ter várias pessoas cantando a letra de uma de suas músicas.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Mostra de Cinema de Tiradentes
João Dicker

“A Mesma Parte de Um Homem” (2021) / 24ª Mostra de Cinema de Tiradentes

Ao assistir A Mesma Parte de um Homem um dos primeiros pensamentos que me veio à cabeça me fez refletir sobre como o filme desconstrói a imagem romântica da vida no campo. Se distanciando de uma valorização do ambiente bucólico, o longa de Ana Johann se situa nesse cenário do interior para dar espaço a uma narrativa focada em tratar das relações de poder entre gêneros por meio do sexo e da relação com o espaço. Desde o início do longa acompanhamos uma construção de universo um tanto quanto fúnebre e com um senso de perigo latente. Nele, temos uma
Leia a matéria »
Back To Top