fbpx

Uri Doramas / “O K2” (2016)

"O K2" surpreendente por mesclar o genêro de ação, pouco usual nas doramas, com uma narrativa estilo fan fiction que engaja e diverte.

Tiros, lutas e bombas certamente não são os aspectos mais atraentes para mim ao escolher algum dorama. Mas confesso que esse me pegou de surpresa de uma forma muito positiva. O K2 tem uma pegada do gênero ação, mas não é essa característica mais interessante sobre ele: a união de um romance estilo fan fiction com o gênero predominante de ação é conquistador, principalmente com protagonistas tão cativantes como os apresentados.

Kim Je-Ha (Ji Chang-Wook), codenome K2, é um ex-soldado fugitivo que recebe a proposta de se tornar segurança e proteger a filha de um político candidato, a dócil Go Anna (Yoona do Girls Generation). Sim, a trama é um tanto previsível nesse ponto, e todos sabem como isso vai terminar, porém ao contrário do padrão encantador e perfeito, o protagonista é um homem com um passado traumático e cheio de falhas, mostrando que dessa vez o mocinho não é um “príncipe”.

Apesar da previsibilidade, O K2 ganha o público com uma trama inteligente e atraente, que vai desde os protagonistas até os vilões – que proporcionam os sentimentos mais reais, do amor a raiva. A essência está no fato do foco não ser o romance em si, mas em todo conflito familiar, jogada de interesses políticos, financeiros e até mesmo pessoais que cercam cada um dos personagens, que sempre se demonstram bem dispostos a fazerem o possível e impossível pelas suas necessidades – ou vontades.

Kim Je-Ha domina toda a história de uma forma muito inteligente, seus planos são imprevisíveis e deixam o espectador na torcida. Ele é irreverente e faz suas próprias regras, desobedece a ordens e tem a cabeça quente, espera-se que ele falhe em algum momento. É dessa forma que ele conquista o espectador, com sua personalidade decidida.

O dorama gira em torno da proteção de Anna, porém o desenvolvimento do ex-soldado K2 e seus plots surpreendentes tornam esse fator um pouco esquecível. Mesmo que ele venha se apaixonar pela moça eventualmente, tudo se iniciou por seus interesses pessoais, e suas estratégias para conquistar seus objetivos e as consequências das mesmas são bastante relevantes e memoráveis. Enquanto Anna por si também conquista o público com toda sua determinação por tentar se livrar dos problemas.

O K2 não é divertido e descontraído, é tenso e misterioso. Proporciona uma montanha russa de emoções, e mesmo sendo um dorama fora do padrão romântico, é exatamente por isso que vale a pena.

Sugestão de OST (Original Soundtrack): Amazing Grace.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Rafael Bonanno

Um exercício de iconofilia

É praticamente impossível falar sobre cultura pop, hoje, sem sequer mencionar um dos maiores fenômenos culturais propagados pela indústria do entretenimento desde o final dos anos 90. Pokémon é uma franquia que começou como uma série de jogos de RPG desenvolvidos por Satoshi Tajiri para o Game Boy, em 1996. A partir daí, a marca se expandiu de maneira colossal em diversas mídias e, atualmente, ocupa a humilde posição de “franquia de mídia mais rentável da história” com uma renda estimada em cerca de 90 bilhões de dólares. Constantemente reintroduzida para novas gerações, os jogos principais da série sempre mantiveram

Leia a matéria »
Ilustração
Vitor Santos

Ilustração Vitor Santos #1: Sankofa

vitor santos 19 anos ribeiro bonito inspirações Mike Azevedo, Cesar Rosolino e Guilherme Freitas trabalho dos sonhos: trabalhar em uma empresa que receba destaque pelo que faz e tenha um grupo de profissionais disposto a aprender e ajudar gostaria de trabalhar com: ilustração e concept art para games trabalha atualmente com: graduando de design na Unesp portfólio: behance Sankofa é um projeto que visa conscientizar as pessoas sobre a escravidão, racismo e também preconceito, através da imagem. O nome Sankofa, é inspirado no símbolo africano de um pássaro que voa para frente olhando para trás. O ideograma é da tradição

Leia a matéria »
Back To Top