fbpx
"Invocação do Mal 2" dá sequência as aterrorizantes aventuras de Ed e Lorraine Warren, em um filme que usa precisamente dos clichês do gênero.

Quando o filme de terror começa com a informação de que foi “baseado em fatos reais”, os arrepios já se iniciam bem antes de qualquer cena assustadora. Graças ao casal Ed e Lorraine Warren, famosos pesquisadores sobrenaturais e demonologistas, temos uma variedade de filmes inspirados em situações reais (se você acreditar nisso, é claro).

Invocação do Mal 2 é uma das histórias mais famosas dos Warren, baseada no caso chamado Poltergeist de Enfield. Aos curiosos de plantão, já aviso que existem muitas informações sobre o assunto no vasto mundo da internet. Na trama, Ed (Patrick Wilson) e Lorraine (Vera Farmiga) são convocados a investigar fatos estranhos que acometem uma família em Londres. Em 1977, Janet Hodgson (Madison Wolfe) começa a ter crises de sonambulismo e não demora muito a apresentar sinais claros de possessão, falando com a voz de outra pessoa, fazendo luzes se apagarem e objetos voarem na sua presença.

Para que a Igreja Católica se envolva em um caso assim, é necessário que existam provas que as atividades são mesmo de origem demoníaca e não uma encenação da família. Após o caso de Amityville, em 1974, quando um jovem assassinou toda a seu núcleo familiar alegando estar possuído, surgiram falsos boatos de situações de possessão. Para garantir que Enfield não era uma brincadeira de mal gosto, um padre pede que o casal Warren verifique o lugar, uma vez que são especialistas no assunto e Lorraine possui dons mediúnicos.

Enquanto ajudam na investigação, o próprio casal passa por conflitos pessoais. Constantemente sendo chamados de mentirosos, precisam lidar com pessoas tentando provar que seu trabalho é uma armação. Além disso, pelo tipo de atividade que realizam, sofrem com muitas perturbações de seres não humanos. Em poucas palavras, Ed e Lorraine são provocados tanto pela mídia quanto por demônios, uma vida bem tranquila mesmo.

Dirigido por James Wan, a obra conta com cenários que já pressupõe cenas assustadoras. Uma casa bem velha, com canos estourados e piso de madeira rangendo parece ser o ambiente perfeito para atividades demoníacas. Com alguns jump scare bem marcados, Invocação do Mal 2 tem uma trama bem desenvolvida, que não perde o rumo ao longo da história e consegue trazer momentos assustadores sem ficar repetitivo. Para quem já assistiu muitos filmes do gênero, os sustos acontecem em momentos relativamente previsíveis, mas a produção tem artimanhas o suficiente para dar um toque a mais.

Com um monte de crucifixos girando de cabeça para baixo, vozes demoníacas saindo de uma criança, facas voando e raios caindo em momentos cruciais, o filme entrega o pacote completo de um longa de terror e não deixa a desejar tanto em enredo quanto em cenas bem trabalhadas. Um dos grandes artifícios de trabalhar com histórias do casal Warren é a possibilidade de trazer elementos católicos, que deixam a trama ainda mais dramática.

Aos amantes de easter-eggs, em Invocação do Mal 2 conhecemos um pouco da Freira, que ganhou um filme em 2018. A boneca Annabelle também é vista de longe, junto com vários outros brinquedos e objetos que foram usados em atividades demoníacas. Esse utensílios ficam no porão da família Warren, que serve de cenário para Annabelle 3.

JUMP SCARE
Jump Scare ou “pulo de susto” é a uma das técnicas mais usadas em filmes de terror. Ela consiste em mudanças abruptas de uma cena, geralmente acompanhadas de algum som alto.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Na Diegese
Giulio Bonanno

Na Diegese / Viagens em tempos de absoluta depuração

Viagens no tempo são fantasias que revelam o quão frágeis nós somos. No bom sentido. Apegar-se aos recortes cronológicos ou situar-se numa determinada marcação do calendário é uma manifestação de consentimento com a efemeridade. É de onde derivam-se traduções intensas de angústias perenes, como a saudade e a nostalgia, fazendo da relação com o mundo material um fim em si mesmo. Nossos corpos seguem como veículos nessa estrada pavimentada por horas, minutos e segundos. Muitos autores, cansados de trabalhar numa mesma linha temporal, resolvem extrapolar suas narrativas para vasculhar possibilidades largadas na lixeira. É como pegar aquele velho rascunho amassado
Leia a matéria »
Na Prateleira de Cima
Bruna Curi

Na Prateleira de Cima / “Conhecendo Joël Dicker”

Sabe aquela sensação de conhecer um autor incrível e de querer conversar sobre ele com outras pessoas? Eu me sinto dessa maneira com Joël Dicker, o escritor suíço de 33 anos. O meu primeiro contato com as obras dele foi através do Intrínsecos, clube do livro da Editora Intrínseca, em que os assinantes recebem um livro exclusivo e que ainda não foi lançado no Brasil. Foi graças à O Desaparecimento de Stephanie Mailer que conheci o trabalho de Dicker. O livro enviado pelos Intrínsecos é um romance policial que se passa na pacata cidade de Orphea, localizada na costa leste dos

Leia a matéria »
Back To Top