Pesadelo na Rua Z / “Annabelle”

Pesadelo Na Rua Z / “Annabelle”
[tempo de leitura: 2 minutos]

Após o sucesso de Invocação do Mal e a possibilidade de expandir a franquia, a Warner Bros. não poderia perder tempo para lançar seu primeiro spin-off, dando protagonismo Annabelle, boneca maligna que dá título ao filme.

Tanto Invocação do Mal, quanto Annabelle começam com a mesma cena, com alguns jovens pedindo ajuda ao casal de famosos demonologistas Ed (Patrick Wilson) e Lorraine (Vera Farmiga), após notarem comportamentos estranhos na boneca. No spin-off, a narrativa volta para alguns anos antes, quando John (Ward Horton) presenteia sua esposa Mia Form (Annabelle Wallis) com uma boneca que ela tanto sonhava em ter.

Logo que a boneca chega, a vida do casal, que está esperando um bebê, começa a ficar complicada. Seus vizinhos são brutalmente assassinados pela filha e namorado, que logo invadem a casa dos Form e atacam o casal. A polícia investiga o caso e conclui que a jovem, chamada Annabelle (Tree O’Toole), e seu namorado, faziam parte de uma seita e agiam com violência em prol de suas crenças e rituais. Mia associa todo o mal à boneca pois o ataque dos jovens termina com Annabelle cometendo suicídio segurando o brinquedo, e pede a John para que se livre dela, mas, sendo um filme de terror, nada seria tão simples assim.

A vida do casal, já com a pequena Leah  nascida, é lentamente perturbada, tendo Mia sempre como alvo principal. Começam com barulhos estranhos e televisão chiando até que as investidas da entidade tomam formas mais brutas, com ataques físicos e aparições.

Ainda que, em tese, a trama pareça interessante, o filme tem algumas falhas que o tornam menos assustador e relativamente fraco, se comparado ao Invocação do Mal. Dirigido por John R. Leonetti, o longa dá muitos sinais de possíveis cenas assustadoras que, nem sempre, são seguidas por momentos intensos. A sensação é que demora muito para chegar na “hora H” e o espectador não consegue se manter na tensão por muito tempo.

  • Save

Além disso, há uma quantidade significativa de cenas sangrentas, de um gore excessivo que não é desnecessário quando existe uma boneca demoníaca na história. A personagem título, inclusive, é pouco explorada. Mesmo que seu visual já assustador por si só, ela não se movimenta muito e não entra tanto em ação quanto poderia, deixando uma sensação estranha ao espectador.

Apesar dessas falhas, o filme segue bem e traz alguns clichês do gênero, que não necessariamente são ruins. Um casal feliz, um marido que demora a acreditar e um clérigo com todas as respostas necessárias não faltam em Annabelle. Mesmo não dando muito medo, dá alguns frios na barriga e consegue se manter fiel às justificativas dadas ao longo da trama e a proposta de como trabalha-las.

Deborah Almeida

deborah almeida

mineira, jornalista e feminista. viciada em filmes adolescentes e de terror, amante de seriados e enaltecedora das divas pop. tanto 8 quanto 80, apaixonada por palavras, colecionadora de cartão postal e louca dos tsurus de origami.

Back To Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap