fbpx

Curtas em Foco / “Absorvendo o Tabu” (2018)

[tempo de leitura: 2 minutos]

Coletores menstruais, absorventes de panos e calcinhas preparadas para o ciclo são opções sustentáveis para quem quer substituir o uso dos clássicos absorventes descartáveis. Além do acesso ao item de higiene, atualmente em algumas realidades, é possível escolher qual dos modelos usar. Infelizmente, como mostra o documentário Absorvendo o Tabu, esse não é o caso da Índia.

Segundo o documentário, apenas 10% das mulheres na Índia têm acesso aos absorventes. 90% da população feminina do país indiano equivale a quase 600 milhões de pessoas — o que corresponde a três vezes a população total do Brasil. Absorvendo o Tabu mostra a realidade de mulheres que, por conta da opressão e da falta de acesso à informação, quase não conseguem pronunciar a palavra menstruação.

Inclusive, quando questionada sobre o porquê do período acontecer, uma entrevistada responde que “Só Deus sabe por que a menstruação acontece. É o sangue ruim saindo da gente”. Já outra diz que  “A única coisa que sei é que é por conta da menstruação que os bebês nascem”.

Absorvendo o Tabu acompanha o processo de implementação de uma máquina que produz absorventes biodegradáveis de baixo custo. A intenção é que as mulheres consigam alcançar independência financeira e condições melhores de higiene e, consequentemente, de saúde. É louvável a transformação que esse equipamento consegue fazer no vilarejo de Uttar Pradesh. Além de capacitar as mulheres a fazerem seus próprios absorventes, elas recebem a oportunidade de vendê-los a outras.

Dentre os vários relatos apresentados, um em específico capturou minha atenção. Uma entrevistada diz que estudou até o Ensino Médio e que menstruou pela primeira vez nessa época. Como ela não tinha acesso aos absorventes, precisava trocar de roupa várias vezes ao dia e os homens ficavam olhando ela se trocar. Ela abandonou os estudos por esse motivo.

Vencedor do Oscar de 2019, o curta está disponível na Netflix. Ao receber a premiação na categoria de Melhor Documentário de Curta-Metragem, Rayka Zehtabchi se emocionou: “Eu não estou chorando por que estou menstruada ou algo do tipo, eu não consigo acreditar que um filme sobre menstruação acabou de ganhar um Oscar!”. Essa fala teve a intenção de ressignificar o olhar machista que relaciona a sensibilidade ao período – no sentido de fraqueza.

  • Save

O reconhecimento recebido foi importante, mas a missão de Zehtabchi continua. The Pad Project, tem o objetivo de espalhar pelo mundo o máximo de conhecimento possível sobre o assunto. A esperança é avançar em direção a um mundo em que as meninas se sintam empoderadas em seus corpos, alcancem independência econômica, entendam suas opções de saúde reprodutiva e sexual e aproveitem o poder de moldar suas vidas. Um mundo que com filmes como Absorvendo o Tabu, fica um pouco menos distante.

rayanne candido

estudante de Jornalismo, paulistana, capricorniana e filha das águas doces. amante de roteiros audiovisuais, filmes, séries e documentários.

seu tempo livre é baseado em café, algum episódio de The Office e leituras distópicas.

Back To Top
Right Menu Icon
Share via
Copy link
Powered by Social Snap